Pastoral da Criança: Há mais de 30 anos orientando famílias e salvando crianças da desnutrição

http://www.minhasaojose.com.br

Em São José, programa assiste 25 crianças e funciona no salão da igreja São Judas Tadeu

Reportagem e Texto: Natália Tiezzi Manetta

Em 1982, quando a médica sanitarista Zilda Arns Neumann foi convocada a promover um trabalho para redução da mortalidade infantil, talvez ela própria não imaginaria a dimensão daquele seu gesto, que, juntamente com o apoio de Dom Geraldo Majella Agnelo e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, pudesse ser transformada numa obra tão grandiosa como é atualmente a Pastoral da Criança.

Através da receita simples do soro caseiro, o programa diminiu drasticamente a mortalidade infantil, principalmente por diarreia, já no primeiro ano de sua criação, em 1983, no Paraná. No ano seguinte, o trabalho da Pastoral da Criança se expandiu para outras regiões brasileiras com apoio dos bispos.

Atualmente, mais de 260.000 voluntários acompanham o desenvolvimento de quase 1,8 milhões de crianças de 0 a 6 anos e quase 94 mil gestantes em 42 mil comunidades pobres, de 5.570 municípios, em todos os estados do país.

São José do Rio Pardo é um dos municípios onde a Pastoral da Criança atua. “A Pastoral da Criança iniciou seus trabalhos em 1987 e desde o começo aqui no Vale do Redentor. Hoje ela assiste 25 crianças, cujas famílias são visitadas, acompanhadas e orientadas com relação a assuntos de relevância, principalmente a desnutrição infantil. Além disso, o programa também tem como público alvo as gestantes”, explicou Leda Marilda de Andrade Dias, voluntária da Pastoral há 32 anos.

No encontro, as crianças assistidas pela Pastoral são pesadas e todos os dados anotados para acompanhamento do desenvolvimento de cada uma

TRABALHO ÁRDUO E GRATIFICANTE

Quando os 14 voluntários ficam sabendo que nasceu alguma criança no bairro e adjacências ou de alguma gestante, eles já promovem visitas, muitas vezes em lugares longinquos e realizados a pé, para orientações com vistas aos cuidados futuros com o bebê, principalmente no tocante à alimentação. “Quando notamos que a criança está abaixo do peso, em condição de desnutrição, essa família é convidada a participar dos encontros na Pastoral, onde a criança será pesada uma vez por mês. Todas as crianças tem seus dados anotados em um livro, cujos dados são enviados à central das Patorais, em Curitiba. Graças a Deus já tiramos e evitamos a desnutrição em muitas crianças”, informou a atual coordenadora Maria Aparecida Fortunato Ferreira.

Além do reaproveitamento de alimentos, onde as mães aprendem receitas nutritivas onde se utilizam geralmente aquilo que é descartado de frutas, verduras e legumes, elas recebem a multimistura, um suplemento alimentar natural que auxilia na recuperação do peso da criança.

“As reuniões acontecem sempre na 3ª quarta-feira do mês aqui no salão da Paróquia. Costumamos abordar algum assunto de interesse ou que as mães tenham alguma dúvida, bem como as crianças são pesadas e oferecemos um lanche para todos. Também fazemos uma oração e agradecemos pela presença. É um encontro muito gratificante para todos os voluntários, pois assim sabemos das reais necessidades das mães, gestantes e temos a chance de acompanhar o desenvolvimento de crianças que, talvez se não fosse o trabalho da Pastoral, estariam desnutridas e permaneceriam nesta condição”.

Orientação às mães e às gestantes fazem parte das atividades da Pastoral da Criança

PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO ALVO E VOLUNTÁRIOS

Apesar da excelência no trabalho informativo, de prevenção e educativo que a Poastoral da Criança presta à comunidade, muita gente ainda o desconhece. “Às vezes é difícil contar com a participação principalmente das gestantes. E se alguma mãe estiver em dúvida sobre a alimentação do bebê, se a criança não estiver ganhando o peso adequado ou já estiver desnutrida, pedimos para que nos procure aqui na Pastoral na 3ª quarta-feira de cada mês para que façamos o cadastro e essa grávida ou família seja assistida pela Pastoral”, disse Leda.

Além da participação do público alvo, a Pastoral está em busca de voluntários para capacitação, pois somente por meio dela eles estarão aptos às visitas domiciliares e demais atividades que a Pastoral desenvolve.

Quem se interessar pelo voluntariado poderá entrar em contato com a coordenadora Maria José pelo telefone 99448-1475 ou com Leda, pelo 3684-1064.

Grata surpresa: no momento da reportagem, o Rotary Club de São José do Rio Pardo (Centro) fez a doação de alimentos à Pastoral. Na foto, da esquerda para a direita, a coordenadora Maria José, o presidente do Rotary, Edilson Ricci e a rotariana Graça Abreu, que sempre acompanha o trabalho da Pastoral
http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br