Clarissa e Diogo: Casal de triatletas se prepara para o Mundial de Triathlon no Canadá

http://www.minhasaojose.com.br

Ambos contaram como é o dia-a-dia de treinamentos, a modalidade preferida entre as três e como conciliam o esporte, a profissão e a família

Reportagem e Texto: Natália Tiezzi Manetta

Quem diria que uma bronquite e um joelho lesionado pudessem ser o início de uma trajetória brilhante nos esportes? Pois foi exatamente esses dois episódios que marcaram a vida do casal Clarissa Navarro Ferreira de Moraes e Diogo Gaino de Moraes, que ainda estão comemorando a classificação para o Mundial de Triathlon, que acontecerá no Canadá em agosto de 2020.

Mas, até chegarem a esse nível competitivo, os triatletas tiveram trajetórias diferentes nos esportes. Nossa reportagem especial deste sábado retrata um pouco da história esportiva de ambos, bem como a rotina de treinamentos, como conciliam o triathlon com a profissão e a família e até mesmo qual é a modalidade preferida de cada um dentre as que são disputadas, sendo a natação, o ciclismo e a corrida.

O casal recebeu a reportagem na residência da família, acompanhado pelo filho Luís Felipe, de 3 anos e 6 meses, que, no momento da entrevista ainda estava decidindo se jogaria basquete ou futebol, já demonstrando a predisposição às atividades físicas. Confira!

NATAÇÃO: UMA PAIXÃO QUE RENDEU MAIS DUAS PAIXÕES

Aos 41 anos, Clarissa começou a nadar por ‘livre e espontânea pressão’ dos pais, que, após recomendação médica, convenceram-na a praticar natação. “Quando tinha seis anos sofria muito com uma forte bronquite e o médico recomendou que eu nadasse. Não queria muito não, mas fui aprender. Meu primeiro professor foi o saudoso Toninho Abichabki, no Rio Pardo Futebol Clube. A crises de bronquite acabaram e aos 11 anos passei a fazer parte da equipe de natação, competir, vencer, enfim, me apaixonei pelas águas e pelas piscinas e sou apaixonada por elas até hoje”, contou Clarissa.

E apesar do amor pelo esporte, a jovem atleta não deixou os estudos de lado. Cursou Fisioterapia em Londrina, no Paraná, entretanto deu um jeitinho de continuar os treinamentos e as competições na natação.

Clarissa também participou de Maratonas Aquáticas por mais de 6 anos e foi a partir daí que o Triathlon começou a fazer parte de sua vida. “Um treinador me incentivou a tentar e tentei! Pratico o esporte desde 2011 e hoje ele me completa”.

Clarissa coleciona medalhas e troféus das inúmeras conquistas que fazem parte de sua trajetória nos esportes há 30 anos, mas algumas vitórias tiveram um sabor especial, como quando completou um Iroman, sendo uma modalidade de triathlon de longas distâncias; quando foi campeã brasileira na maratona aquática, bem como as mais recentes, sendo campeã paulista e vice-campeã brasileira de triathlon em sua categoria.

Sobre qual a modalidade preferida no triathlon, Clarissa disse que continua sendo a natação. “Se eu tivesse que escolher uma das três, sem dúvida, seria nadar, mas aprendi a gostar de pedalar e da corrida, portanto, são minhas três paixões esportivas”.

O INCENTIVO DA ESPOSA: NASCE UM TRIATLETA

Já o marido Diogo iniciou no esporte como tantos outros meninos: aos cinco anos e jogando futebol. E, apesar de não ter se profissionalizado,  jogou na categoria de base da Caldense, principal time de Poços de Caldas.

“Joguei até os 22 anos, quando sofri uma séria lesão no joelho. Não queria parar de praticar esporte e foi então que a Clarissa me incentivou às corridas, uma vez que ela já praticava. E eu descobri que era um bom corredor e obtia bons resultados nas provas”, explicou.

Mas, o ritmo intenso, inclusive de treinos, também lhe rendeu mais três fraturas. “Meu médico indicou que eu intercalasse a corrida com outra modalidade esportiva e tanto eu, quanto a Clarissa, pensamos no triathlon. Este é meu segundo ano no esporte”, disse.

A grande incentivadora falou com orgulho do marido. “Diogo evoluiu muito rápido, tanto que conseguiu excelentes resultados que garantiram sua vaga para o mundial em sua categoria. É um exemplo de ‘dedicação, foco e fé’, como ele mesmo cita que são as três bases para a prática do esporte e que aprendeu a te-las ao longo das competições”, salientou Clarissa.

Sobre a modalidade preferida no triathlon, Diogo disse que a natação lhe proporciona mais prazer, porém seu rendimento é melhor na corrida.

ESPORTES: UM ESTILO DE VIDA NA FAMÍLIA

Já deu para perceber que o casal tem o esporte como estilo de vida. Porém, ambos conciliam as atividades esportivas com suas profissões. Clarissa atende seus pacientes na Fisioterapia e Diogo é colaborador na Nestlé. E corre-corre do dia-a-dia eles encontram tempo para os treinos, que são realizados seis vezes por semana e duas vezes ao dia. “Acho que essa cumplicidade que temos no esporte é fundamental, pois um treina com o outro e acabamos nos ajudando também nesta questão, além da própria rotina da casa: aqui dividimos tudo, até as tarefas do lar”, contou Clarissa.

A alimentação balanceada também faz parte da rotina da casa, já que os dois precisam sempre estar de olho no peso, pois quilos a mais diminuem os rendimentos, principalmente com relação aos pedais e corridas.

E, há três anos e meio, o casal ganhou um motivo a mais para sorrir e, claro, um incentivo para continuarem os esportes: o pequeno e lindo Luis Felipe. E mesmo durante a gravidez, Clarissa não deixou os treinos, apenas adaptou-os com relação à intensidade e esforços.

“Nosso pequeno é tudo para nós. Ele nos dá forças, alegra a casa com esse jeitinho que só ele tem. Acho que ele já começou a entender que o esporte é um estilo de vida da mamãe e do papai desde antes de nascer, pois não parei os treinamentos na gestação. Tive uma gravidez muito tranquila que me possibilitou isso, sempre, é claro, com orientação médica e do meu treinador”, disse.

A EXPECTATIVA PARA O MUNDIAL E OS PRÓXIMOS DESAFIOS

Clarissa e Diogo estão ansiosos para a disputa do Mundial de Triathlon  e já estão se preparando com treinamento voltados para a competição. Entretanto, em novembro, ambos participarão de uma seletiva para o Mundial de Distância Olímpica, uma outra categoria dentro do triathlon. “A intenção é classificarmos entre os 10 primeiros para mais esse desafio, porém nossa atenção também já está voltada ao Canadá, onde acontece a disputa do Mundial e que já garantimos vaga. Será uma grande experiência para nós, já que a meta também é chegarmos entre os 10 primeiros. Sabemos que não será fácil, mas vamos tentar e dar o nosso melhor”, disse Diogo.

O triathlon, segundo Clarissa, é um esporte que precisa ser mais reconhecido e patrocinado, pois o atleta geralmente investe do próprio bolso para custear as viagens, bem como toda a logística para despacho de equipamentos, etc. “Por falar nisso, gostaria de deixar registrado nossos agradecimentos aos nossos parceiros e patrocinadores, pois sem eles nada disse seria possível em nossas vidas. São eles: Associação Atlética Riopardense, Departamento de Esportes e Cultura (DEC), Jupter Embalagens, Hidrata Pharma, Rei das Magrelas, Marmi Treino, Ibero Magistral e ao técnico Evandro Almeida”.

Mas, será que o casal também gostaria que o filhão se dedicasse aos esportes? “Ele ainda é muito pequeno, mas já gosta de uma bolinha! Acho que ele está crescendo e participando de nossa rotina de treinos, enfim, incentivo não vai faltar. Mas isso vai ficar a critério dele mesmo. Com toda certeza faríamos gosto, pois o esporte realmente faz a diferença na vida de qualquer pessoa. Ensina, sobretudo, a disciplina não apenas para treinar, mas para a vida”, finalizou o casal.

O armário, ao fundo, ficou pequeno para a quantidade de medalhas, troféus e premiações do casal de triatletas

http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br