Apenas uma Crônica: Claudiney – O ‘garçom-alegria’

http://www.minhasaojose.com.br

Texto: Natália Tiezzi

Sempre quando vou em eventos, festas, reuniões observo os garçons – e quando possível faço amizade com eles não apenas pelo fato de que não vai faltar cerveja na mesa onde eu esteja, mas pela boa conversa que, vez por outra, têm.

Garçom é um profissional interessante: corre para lá e para cá, atento, astuto. Admiro cada um, mas, dia desses, em mais um evento que fui a trabalho, me deparei com o Claudiney.

Atencioso, gentil, logo a mesa toda fez amizade com ele, ou melhor, todas as mesas, tamanha sua simpatia ao servi-las. Posso chamar tudo isso de diferencial, pois não é todo dia que encontramos um garçom assim – alguns têm uma postura mais sisuda: servem sem dar um sorriso, mas aí é questão de personalidade e cada um tem a sua.

Porém, além das características que mencionei, Claudiney talvez fosse a pessoa mais alegre daquele salão na noite festiva. O sorriso no rosto e os pequenos passos de dança entre as mesas acompanhavam as músicas que faziam os convidados dançarem no baile.

Claudiney, sempre disposto e entusiasmado ao trabalho

Aquela alegria, obviamente, chamou-me atenção, assim como acredito que a quase todos os convidados. Não me contive e perguntei o nome do gentil e alegre garçom, que me respondeu “Claudiney”.

Disse a ele que sua alegria era contagiante, tanto que nas mesas próximas onde ele passou arrancou sorrisos. “Moça, se a senhora soubesse o quanto gosto de fazer isso”, disse ele, com olhos marejados, mas de felicidade.

Obviamente gostaria de te-lo entrevistado, mas naquela noite frenética seria impossível. Claudiney deve ter boas histórias profissionais e de vida para contar. É simples, alegre e trabalha feliz, tão feliz que ‘exala’ positividade.

Já indo embora da festa, me deparei com ele novamente. “Mas já vai? É cedo!”, disse, como se a noite estivesse começando em plena 1h30 da madrugada!

Antes, pedi a ele se poderia fazer uma foto. Gentil, permitiu o registro. Claudiney é garçom do Buffet Assunção, o qual serviu os convidados naquela noite.

A mim, Claudiney deixou lições valorosas, talvez sem querer: que a alegria de viver está nas pequenas coisas, no sorriso, nos passos de dança, no servir bem, no entusiasmo ao abençoado e árduo trabalho.

Parabéns, Claudiney, pela sua alegria, pelo seu entusiasmo e pelo seu profissionalismo feliz!

http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br