CIDADEDESTAQUEEDUCAÇÃO

Pedagogia UNIP/Rio Pardo diz NÃO ao Etarismo e aluna de 63 anos dá exemplo em sala de aula

http://www.minhasaojose.com.br
Joana, que já é avó, voltou à sala de aula aos 63 anos e está feliz por estar realizando o sonho da graduação

Alunos e alunas do curso de Pedagogia da UNIP/Rio Pardo, o popular “Pedagogia em Movimento”, repudiaram a prática de etarismo cometida por estudantes de uma universidade particular, localizada em Bauru semanas atrás, e mostraram que no curso que frequentam as ideias e atitudes são bem diferentes.

A Pedagogia em Movimento recebeu esse ano a aluna Joana Darc Aparecida Bento de Mesquita, que tem 63 anos e é do município de Casa Branca. Ela é casada há 41 anos, tem dois filhos casados e é avó de um menino de quase 3 anos. Sempre quis cursar uma graduação, iniciou alguns cursos, mas por motivo de força maior não conseguiu concluí-los. Esse ano resolveu que iria estudar e escolheu o curso de Pedagogia da UNIP.

Joana foi eleita representante de sala pela turma e segundo a coordenadora do curso, Professora Drª. Raquel Octávio vem se mostrando uma aluna exemplar. Ainda, de acordo com a Professora Raquel, a diversidade etária nas salas de aulas da UNIP é bem expressiva e defende: “práticas de etarismo jamais serão permitidas na UNIP”.

Recentemente Joana, em ocasião de seu aniversário, ganhou uma festa surpresa. A turma se organizou para festejar, além de sua nova idade, a sua entrada no mundo universitário, sua garra e sua determinação. Paulo, companheiro de turma, diz que Joana significa para muitos um exemplo a ser seguido e que possui muito respeito por ela e orgulho de ser seu companheiro de turma.

A Professora Raquel complementa que conforme dados do Censo da Educação Superior, do Ministério da Educação (MEC), entre 2012 e 2021, o número de ingressantes com 40 anos ou mais nas universidades do país subiu 171,1%. A busca por novas oportunidades profissionais com a segunda graduação, a realização de um sonho antigo ou simplesmente a procura por novos conhecimentos estão na lista das razões.

Raquel defende que não há idade para estudar, trata-se de uma experiência, uma ação que levamos para toda nossa vida. “Temos vários motivos para ingressar em um curso e não devemos julgar, nem tão pouco agredir o outro pelas suas escolhas. Joana é prova de que a idade é apenas um marco na vida de uma pessoa. Ela conhece o google sim, bem como várias plataformas digitais e vem auxiliando muitos alunos e alunas em aulas e trabalhos acadêmicos. Defendo que aprender é sinônimo de viver. Temos muito orgulho de nossa aluna Joana, um grande exemplo em todos os sentidos”, concluiu a professora.

Em seu aniversário, Joana ganhou uma festa surpresa dos amigos e colegas de curso: exemplo dentro e fora da sala de aula
http://www.minhasaojose.com.br