Filipe Fontão: Jovem músico se destaca na cultura do samba em São José?

http://www.minhasaojose.com.br


Ele é filho de pai e mãe dentistas, mas foi não foi o barulho do famoso ‘motorzinho’ que o conquistou profissionalmente, mas sim os acordes do violão, que descobriu ainda criança, aos 12 anos.

“Minha mãe tinha um violão velho e certa vez fui passar férias na casa de meus primos e aprendi um pouquinho por lá. Quando voltamos falei que queria aprender a tocar. Na verdade eu não escolhi a música, a música me escolheu”, disse.

As boas referências musicais também fizeram parte da vida de Filipe desde a infância. “Meu pai ouvia muita Bossa Nova e com ele fui aprendendo a gostar e admirar a Música Popular Brasileira”.

Ainda na adolescência, ele teve aulas de violão com a musicista Mana Tessari, que o fez se apaixonar ainda mais pelo instrumento. “Além disso, quem me trouxe mesmo para esse universo musical em São José foi o maestro Agenor Ribeiro Netto, que tinha um grupo de seresta chamado Vozes ao Luar e que fiz parte. Tempos mais tarde também participei da apresentação de ‘Chica a Chico’, também produzida por ele”.

Quando fez 18 anos, a opção pelo vestibular não poderia ser outra: Música. “Optei pelo Conservatório de Tatuí. Foram 8 anos de formação, que se dividiram em violão erudito, guitarra e violão popular”.

O primeiro trabalho profissional com a música foi no Projeto Guri na cidade de Guareí, que fica próximo a Tatuí. “Lá conheci a Thaís, que se tornou minha esposa e nos mudamos para Santos, onde também trabalhei com música e acompanhei grandes nomes da baixada paulista como o saudoso Celso Lago.

Após a morte do amigo e cantor, Filipe passou dois meses na Finlândia e na Suécia, juntamente com um grupo, promovendo a MPB. “Era um projeto do Celso que, felizmente, pude participar. Um experiência enriquecedora”.

Filipe durante participação no Programa Senhor Brasil acompanhando Zebeto Corrêa

RODA DE SAMBA: UMA PAIXÃO, UM PROJETO DE VIDA

O músico teve os primeiros contatos com o samba quando ainda estudava em Tatuí. “Conheci uma roda de samba por lá e vez por outra participava, mas foi aqui em São José que a paixão por esse ritmo tão brasileiro me pegou de vez”, contou.

Ele optou por voltar a São José para proporcionar mais qualidade de vida ao filho e à esposa, além de poder desenvolver novos projetos em sua carreira. “Acompanhei a Mana em diversos festivais, bem como outros compositores como Zebeto Corrêa, participação no Conversa de Botequim, enfim. Trabalho por aqui é o que nunca faltou”.

Filipe também ministra aulas de música na Agradef, atividade direcionada aos Portadores de Necessidades Especiais, além de dar aulas de violão, guitarra e musicalização infantil em sua residência, à rua dos Bandeirantes, 620, ou na residência do próprio aluno.

SAMBA DO CHICÃO NAS ESCOLAS

Foi numa dessas conversas informais que surgiu uma nova ideia para difundir o samba aqui em São José. “O Samba do Chicão’ começou há um ano e meio quando eu e mais um grupo de músicos resolveu se reunir num dia que não tínhamos trabalho a fazer e tocar samba em uma roda aberta”.

Samba do Chicão: Filipe foi um dos criadores do grupo que faz sucesso aqui e na região

Atualmente o ‘Samba do Chicão’ é um sucesso na cidade e região por sua alegria e o objetivo de resgatar e levar a essência deste ritmo musical para que milhares de pessoas possam conhecer e aplaudir. “As rodas de samba, que continuam sendo abertas, mas que mantém o respeito pela música entre todos os seus participantes, acontece às terças-feiras, no Bar do Chicão, a partir das 19h30, à avenida Maria Aparecida Salgado Braghetta, 3603 (Perimetral).

Mas o samba não é difundido apenas durante a roda. “Atualmente o Samba do Chicão desenvolve um projeto social, o ‘Samba do Chicão nas Escolas’ que leva a cultura da Música Popular Brasileira às crianças e adolescentes de escolas públicas e particulares do município. Levamos alguns instrumentos e contamos um pouco da história dos ritmos. Muitas vezes este é o primeiro contato da criança com algum instrumento musical e muitas levam jeito: pode ser que alguns realmente se tornem grandes músicos futuramente”, afirmou Filipe.

O projeto voltará a ser desenvolvido nas escolas após o Carnaval. “Se alguma instituição de ensino se interessar, basta entrar em contato através do 90 13 99154-7751 que teremos o maior prazer em levar um pouco da cultura do samba para seus alunos, afinal não podemos deixar o samba morrer, não podemos deixar o samba acabar”, finalizou.

Filipe e integrantes do grupo durante o projeto Samba do Chicão nas Escolas

http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br