São José e região regridem à fase laranja do Plano São Paulo

http://www.minhasaojose.com.br

Mudança ocorreu devido aos municípios que compreendem a Direção Regional de São João da Boa Vista registrarem número expressivo de casos, internações e óbitos nos últimos dias

Texto: Natália Tiezzi

As cidades que compreendem a Departamento Regional de Saúde de São João da Boa Vista, o que inclui São José do Rio Pardo, regrediram à fase laranja do Plano São Paulo de retomadas às atividades. A informação foi passada durante entrevista dos secretários municipais Juliana Flausino (Saúde) e Fernando Passos (Gestão) à Rádio Difusora na manhã desta sexta-feira.

“O Comitê de Crise ao Combate ao Coronavírus se reunirá nesta noite para traçar as novas diretrizes e cumprirmos a decisão estadual de regressão à fase laranja”, explicou Passos.

Juliana disse que nos últimos 15 dias houve um aumento significativo não apenas no número de novos casos, mas nas internações, inclusive com complicações e óbitos. “Ficamos realmente assustados com o número de casos. Nesta última semana, por exemplo, uma média de 14 por dia, além de pacientes que apresentaram quadros mais graves da doença, necessitando de internações, inclusive na UTI. Neste período também registramos mais 3 óbitos”, informou a secretária.

Ela complementou dizendo que a Saúde Municipal ainda está suprindo a demanda, mesmo aumentada nos últimos dias. “O PPA Central atende cerca de 200 pessoas com suspeita de Covid-19, além do Pronto Socorro. É um número alto, mas que ainda estamos dando conta, entretanto, se uma boa parte da população ficar doente ao mesmo tempo é possível sim um colapso na nossa Saúde. Isso nunca foi descartado”, alertou.

Com relação à Santa Casa, a secretária elogiou o trabalho de reorganização realizado na mesma para dar conta de tantas internações e procedimentos, bem como informou que subiu para 15 o número de leitos destinados ao tratamento da Covid-19, sendo 5 deles exclusivos à doença na UTI. “Além disso, a Santa Casa também está adquirindo os equipamentos necessários para o funcionamento dos respiradores, os quais foram cedidos pelo governo estadual. Respirador não funciona sozinho. Precisa de todo um aparato, que o hospital está providenciando”, destacou.

Juliana voltou a chamar a atenção da sociedade para um colapso também no atendimento na Santa Casa, mesmo com o aumento no número de leitos. “Se muita gente ficar doente com agravamento da Covid-19 ao mesmo tempo o sistema vai colapsar inclusive no hospital. Há um limite para esses atendimentos. Nos últimos dias vimos esse limite chegar na Santa Casa, o que nos preocupa muito neste momento, pois a doença não está estabilizada aqui”.

Fernando Passos e Juliana Flausino disseram que a maioria dos casos novos da doença na cidade é de jovens. “Infelizmente ainda há muitos jovens que não acreditam na doença. Não cumprem isolamento social, promovem festas, aglomerações e acabam contaminando seus pais, avós, tios, que fazem parte do grupo de risco. Pedimos, novamente, para que esse público mais jovem tenha consciência e siga as medidas de prevenção”, destacaram.

Questionada se a cidade pode regredir à fase vermelha, a mais rígida, Juliana disse que isso não é descartado. “Tudo dependerá de como a doença vai evoluir nas próximas semanas. Mas se o estado determinar que voltemos à fase vermelha teremos que cumpri-la, assim como teremos que fazer agora regredindo à fase laranja”, finalizou.

http://www.minhasaojose.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br