Oftalmologista Denise Fronzaglia Ferreira fala sobre as doenças oculares na infância

http://www.minhasaojose.com.br
A médica observou o papel fundamental dos pais e professores na contribuição à saúde ocular das crianças

Entrevista e texto: Natália Tiezzi

A saúde ocular das crianças, principalmente agora, com a volta às aulas, merece atenção especial dos pais e responsáveis. As doenças oculares também podem acomete-las e trazer prejuízos, inclusive baixa no rendimento escolar.

Para falar um pouco sobre essas doenças e informar aos pais qual a idade ideal para levar os filhos a um médico especialista, o www.minhasaojose.com.br entrevistou a oftalmologista Denise Fronzaglia Ferreira, que também ressaltou a importância dos professores na triagem de possíveis problemas oculares nos alunos.

A médica destacou, ainda, que os pais devem desmistificar as consultas ao oftalmologista, como em qualquer outro especialista, junto às crianças, bem como o uso dos óculos, uma vez que algumas crianças ainda são resistentes a eles.

Confira, abaixo, a entrevista na íntegra.

Dra. Denise, quais são as principais doenças oculares que podem acometer as crianças e pre-adolescentes?

Dra. Denise Fronzaglia Ferreira: As doenças mais comuns nessa faixa etária são a ametropia (presença de grau), ambliopia (olho preguiçoso), estrabismo e conjuntivite alérgica. É importante levar a criança e o adolescente a um profissional, mesmo se não se queixarem de nada, pois muitas dessas doenças podem passar despercebidas.

Por que essas doenças parecem estar acometendo crianças com menos idade?

Provavelmente você está se referindo à presença de grau, a ametropia. Estamos observando uma tendência mundial de aumento da miopia (dificuldade para ver de longe), principalmente em países asiáticos. Isso se deve principalmente ao aumento do uso de telas e diminuição do tempo de atividades ao ar livre.

Como os pais podem atentar se o filho está com algum problema de visão? Como abordar a criança, por exemplo?

Pode-se observar a distância que a criança posiciona-se em relação à televisão, se ela aperta os olhos para visualizar melhor objetos distantes, se coça muito os olhos ou apresenta olhos vermelhos, questionar os professores sobre o posicionamento na sala de aula. Porém, o mais seguro é realizar exames de rotina com um profissional.

“Estamos observando uma tendência mundial de aumento da miopia (dificuldade para ver de longe), principalmente em países asiáticos. Isso se deve principalmente ao aumento do uso de telas e diminuição do tempo de atividades ao ar livre”, disse a médica

Se a criança apontar alguma dificuldade em enxergar, como os pais podem leva-la ao oftalmologista sem aborrecimentos, medos?

Infelizmente algumas crianças têm trauma de médicos em geral. Gosto de orientar os pais a não fazerem comentários negativos que reforcem esse problema, como por exemplo: “Se não se comportar, vai tomar injeção” ou “Mas precisa mesmo de óculos? Tem cirurgia?”, pois as crianças aprendem aquilo que as ensinamos, então se falamos mal daquela situação estamos reforçando um conceito negativo na cabeça delas.

Quanto mais cedo o problema for diagnosticado, mais chances de tratamento e cura?

Primeiramente, é importante frisar que o uso de óculos não cura o grau ou impede que ele aumente. Porém, muitos problemas só podem ser curados na infância, como o do olho preguiçoso. Através do uso do óculos antes dos 07 anos de idade, podemos corrigir muitos casos como esse. A conjuntivite alérgica também é uma afecção que tem boa resposta ao tratamento e, se feito adequadamente, ele pode impedir o desenvolvimento de complicações como o ceratocone naqueles que têm propensão para tal. É difícil citar todas as doenças que podem ser tratadas, mas em geral o diagnóstico precoce é sempre positivo para o tratamento.

É importante que os pais também perguntem aos professores quanto aos filhos na escola sobre essa questão da visão? Os professores podem perguntar à criança se ela está enxergando bem?

Os professores são a grande triagem no oftalmologista, pois a maioria das crianças em idade pré-escolar ou nos primeiros anos do Ensino Fundamental vêm ao consultório por indicação destes. Com certeza é pertinente que eles tenham uma participação ativa e perguntem aos alunos se eles estão enxergando bem a lousa naquela posição e também observem o comportamento na sala de aula. É possível que dificuldade de aprendizado ou de atenção sejam em decorrência de uma visão deficitária.

Algumas crianças ainda têm certa aversão, medo, vergonha de usarem óculos. Como desmistifica-lo e ajudar a criança a usá-lo, caso for necessário?

Mais uma vez o papel dos pais em não colocar uma conotação negativa nessa situação é fundamental. Comentários com reforço positivo são sempre benéficos, como “Você fica bem de óculos” ou “É muito bom usar ósculos, você vai enxergar melhor”, etc.

Vamos falar um pouco sobre os colírios. Muita gente ainda usa colírios sem prescrição médica nas crianças. Isso é perigoso?

Colírios lubrificantes não fazem mal, porém as pessoas consomem outros tipos de colírios como se fossem lubrificantes por desconhecimento. Como isso é frequente, sempre prefiro orientar a não utilizar nada que não tenha sido prescrito e orientado por um médico pelo menos uma vez na vida, porque costumamos pontuar o que pode ou não ser usado no futuro sem ser necessário passar em nova consulta.

Para finalizar, com que idade os pais devem levar a criança para a primeira consulta oftalmológica?

Levando-se em conta que foi realizado o teste do olhinho (teste de reflexo vermelho) na maternidade e não foi observado nenhuma alteração nos recém-nascidos e que o pediatra não tenha indicado uma consulta mais precoce, o primeiro exame deve ser feito a partir de 1 ano de idade. Caso o recém-nascido apresente secreção, lacrimejamento ou o bebê tenha passado de 6 meses e apresente estrabismo, a consulta deve ser no momento em que se detectou o problema.

Pais não devem colocar uma conotação negativa ao uso de óculos, mas incentivar o uso nas crianças, quando for indicado pelo oftalmologista
http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br