Fábio Tavella: Nutricionista fala da profissão e como a alia junto com a Educação Física 

http://www.minhasaojose.com.br
Graduado em ambas, o profissional vem se destacando com seus pacientes quando o assunto é Nutrição Funcional, inclusive diante da pandemia 

Entrevista e texto: Natália Tiezzi 

Todos sabemos que unir uma alimentação saudável à prática de atividade física regular é praticamente um ‘elixir’ à vida. Entretanto, por falta de conhecimento e principalmente acompanhamento, muitas pessoas não conseguem manter nem uma coisa e nem outra. 

Para auxilia-las, o nutricionista rio-pardense Fábio Tavella vem se destacando quando o assunto é Nutrição Funcional, já que além da graduação na área, ele também é formado em Educação Física, aliando ambas em benefício aos seus pacientes. 

Em entrevista ao www.minhasaojose.com.br, Fábio contou um pouco de sua carreira profissional, que se estabeleceu na Nutrição, como alia seus conhecimentos em Educação Física à ela e falou sobre alimentação saudável desde a infância, inclusive na prevenção da obesidade infantil, cada vez mais comum por conta dos maus hábitos alimentares também em família. 

Ele também destacou que a Nutrição entrou em sua vida a partir de um problema de saúde: cálculo renal, e a partir daí se tornou sua aliada na qualidade de vida e profissionalmente falando. 

Confira, abaixo, a entrevista na íntegra 

Fábio, por que optou pela Nutrição após a formação em Educação Física? 

Fábio Tavella: Quando cursava Educação Física meu objetivo era ministrar aulas de Arte Marcial, porém no último ano da graduação, percebi que não seria algo que me deixaria realizado mesmo tendo participado de congressos, especializações e cursos da área como Treinamento Esportivo para Atletas. E, após a graduação, fui trabalhar em outra área também pela desvalorização da profissão de Educador Físico. Estudar 4 anos e receber 5 vezes menos o que vale é muito triste. A nutrição apareceu em minha vida porque me alimentava muito mal. Tinha 12 cálculos (pedras) no rim direito e 8 no rim esquerdo, e sempre com cólicas e cada vez que buscava ajuda profissional obtinha a mesma resposta, porém não me contentei com o que me foi imposto e decidi ir atrás da recuperação da minha saúde. Encontrei um modo alternativo de tratamento que me fez pensar “fora da caixa” e me tratei. Posteriormente, um grande amigo que na época que tinha psoríase e um outro amigo me incentivaram a fazer o curso de Nutrição para poder ajudar mais pessoas, assim como eu obtive ajuda. Pensei que seria loucura, pois acreditava que não tinha mais jeito, nem idade para encarar outra faculdade e ter que estudar, escrever etc, o que para mim é um pouco mais complicado por causa de dislexia bem leve. Mesmo assim decidi entrar e encarar de frente tudo o que precisasse fazer e assim foi: graduei-me também em Nutrição! 

O que caracteriza a Nutrição Funcional?  

Para responde-la, vou explicar porque optei em trabalhar com a Nutrição Funcional. Confesso que a Nutrição tradicional me deixou um pouco desanimado no começo, pois não conseguia ver o resultado que queria e isso me fazia mal, uma vez que sentia responsável pelo paciente e por ele não ter conseguido o objetivo. Depois percebi que era uma via de mão dupla e que nada adianta somente eu apresentar o meu trabalho e o paciente não participar. Por isso também optei pela área da engenharia de alimentos, onde trabalhei em indústria e fechei meu consultório por um tempo. Digo que ‘esbarrei’ na nutrição funcional por acaso. Ela fez com que meus olhos voltassem a brilhar pela clínica retomou o meu sonho de ser uma das peças de cura das pessoas que vêm até meu consultório doentes e depois de tratadas muitas me falam que não acreditam que puderam chegar onde chegaram com o próprio corpo e mente doentes do jeito que vieram da primeira vez! É como se estivessem se perdido nelas mesmas e foi feito o resgate do auto cuidado, da auto estima, do se querer bem se valorizando, sendo esses os princípios da Nutrição Funcional: reparando, reconstruindo células, mitocôndrias, tecidos, etc, proporcionando a cura de dentro para fora, cuidando de toda a interação de corpo; mente; emoções. 

E quais conhecimentos trouxe da Educação Física que utiliza na Nutrição? 

Utilizo toda a parte de Fisiologia, que na Educação Física é bem mais complete, porém fiz mais cursos para poder complementar e entender todo o quebra cabeça complexo, juntamente com bioquímica e neurofisiologia. 

Você atende pacientes a partir de qual idade? 

Partindo pelo princípio que faço gestação programada, na qual busco desinflamar e retirar metais pesados entre outras toxinas que podem alterar negativamente o DNA da criança a fim de evitar ou reduzir possíveis patologias, digamos que atendo pacientes desde antes do nascimento até quando estiverem vivos nesse mundo! 

O que a nutrição pode melhorar na questão da imunidade ao Covid-19?  

Desde abril do ano passado atendo pacientes pensando na questão da proteção dessa terrível pandemia a partir de níveis ideais de vitamina D3, zinco, selênio, magnésio, ferro, ferritina, b12, ácido fólico, entre outras vitaminas do complexo B, vitamina C. Também atuo na verificação de processos inflamatórios como fibrinogenio, ácido úrico, pcr, tgo, tgp, ggt. É importante deixar todo o corpo saudável, porém, uma parte dos valores de referência utilizado nos hemogramas está desatualizada e por isso precisei fazer outra especialização para aprender o nível ideal de cada nutriente e as interações entre eles. Para fortalecer a imunidade, recomendaria um cardápio rico em frutas in natura, legumes e verduras, alimentos simples, bem em conta, nada muito caro, mas que possui muitos nutrientes! 

É verdade que a obesidade deve ser combatida desde a primeira infância? Como os pais podem auxiliar as crianças nesta questão? 

Importante esclarecer que a obesidade pode ocorrer desde gene que está ativo e causa inflamação; também pode ser de comportamentos permitidos pelos responsáveis pela criança, e que por consequência gera a inflamação chamada de obesidade. Ou seja, a base da obesidade é inflamação, quanto mais inflamado, mais tecido adiposo é recrutado. Os pais têm a maior responsabilidade, tanto na informação genética passada se caso estavam com alimentações inflamatórias, e posteriormente ao nascimento porque o aprendizado da criança vem pelos responsáveis. Para que a criança fique saudável, os pais ou responsável têm que se alimentar saudavelmente e ter comportamentos saudáveis como prática de atividade física e afins. Criança aprende tudo pelo exemplo. Não tem segredo! 

O combate ao sobrepeso e obesidade sempre deve estar associado à prática de atividade física? Qual é o tempo diário de exercícios e quantas vezes devem ser feitos por semana? 

A prática de atividade física deve ser continua por toda a vida, mesmo em pessoas saudáveis, sem sobrepeso ou obesidade. O tempo que aconselho meus pacientes é começar leve e aumentar gradativamente o grau de dificuldade, de acordo com a capacidade e dedicação individual. Gosto de atividades diárias com duração mínima de uma hora. Aconselho que para prática de qualquer atividade física é necessária a supervisão de um educador físico. 

Para finalizar, que alimentos não podem faltar no prato nosso de cada dia? 

Folhas, legumes, vegetais, frutas, tubérculos e sementes.

Serviço:

Fabio Tavella Nutricionista Funcional
Rua João Casagrande, 84 – Centro, São José do Rio Pardo.
Contato: (19) 99981-4465

http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br
%d blogueiros gostam disto: