DESTAQUEEDUCAÇÃO

‘Amar’ e ‘Educar’: Tem certeza que você está fazendo ambos pelos seus filhos?

http://www.minhasaojose.com.br
Temas foram abordados durante palestra proferida pelo Irmão Rodrigo Dias no Colégio Unigrau

Reportagem e texto: Natália Tiezzi Manetta

Na noite de segunda-feira, 17, o Colégio Unigrau/Comunidade Deus Proverá recepcionou os pais dos alunos do Ensino Fundamental I com uma palestra, que abordou a difícil e essencial tarefa de amar e educar os filhos. Ministrada pelo Irmão Rodrigo Dias que, entre inúmeros temas, destacou a importância da confiança entre família e escola, pois ambas precisam trabalharem unidas para uma melhor qualidade na educação das crianças.

“Educação não tem manual, mas tem conteúdo. Gosto muito de me basear neste livro ‘Quem Ama, Educa’, de Içami Tiba. A geração de nossos filhos é completamente diferente da nossa geração. Por isso é importante e necessário que estejamos atentos às mudanças, entretanto, pais devem ter sempre em mente que precisam tomar atitudes atemporais diante do comportamento dos filhos”, destacou.

Ele observou que a Escola tem o papel de cuidar da Educação da criança, mas é limitada. “Vocês, pais, precisam entender que a escola não pode fazer o papel que pertence a um pai e a uma mãe. Ninguém vai desempenhar esse papel tão bem quanto vocês. Todos nós sabemos que educar não é fácil, ainda mais diante de tantas novidades e transformações que estamos vivenciando nas últimas décadas. Cada vez mais estamos criando uma geração de ‘parafusos de geléia’. Cidadãos que não sabem lidar com frustrações, não sabem ouvir um ‘não’. Nã podem ser contrariados… Tudo isso está fazendo dessa uma geração depressiva, com baixa autoestima e que não aprendeu a resolver problemas, enfrentar suas angústias e medos”, relatou.

Segundo o palestrante, boa parte desses problemas poderiam ser evitados na vida adulta se na infância os pais tomassem atitudes de corrigir, impor limites e, ao mesmo tempo, libertar esse filho, criando-o para o mundo. “Alguns pais, principalmente mães, são extremamente superprotetoras e isso ao invés de ajudar prejudica a educação. Tudo que é em excesso é prejudicial. Vocês precisam acreditar que filhos são como ‘navios’. Parece clichê, mas não os criamos para nós, mas para o mundo”.

Ele também chamou a atenção para a questão do tempo de aprendizado de cada criança, que deve ser respeitado pelos pais. “Não comparem seus filhos com os do vizinho. Não compare aos irmãos. Cada criança é única e cada uma tem o seu tempo de aprender. Acredite no potencial do seu filho. Elogie, não compare!”

O EXEMPLO VALE MAIS QUE MIL PALAVRAS

“Crianças aprendem muito mais com exemplos do que com palavras. Atitudes valem mais que sermões. Portanto não adianta nada chamar a atenção do filho para não falar palavrão se você refere assim à sua esposa ou marido”. Assim Irmão Rodrigo abordou a questão dos exemplos em família. Ele também mencionou outro ponto crucial na educação dos filhos: limites.

“Limitar é diferente de aprisionar. Impor limites é tão essencial quanto amar seu filho. Você o ama? Então não se envergonhe de dizer não, dar aquele tapinha quando for preciso, seja onde, como e quando for. É seu filho e você precisa parar de se preocupar com a educação que o seu amigo proporciona ao filho dele. Como educadores vivenciamos situações de desrespeito, agressões, desobediência, que são retratos óbvios da falta de limites em família”.

Irmão Rodrigo lembrou que o filho não é e não deve ser o centro das atenções de uma casa. “Quando isso acontece o casamento desequilibra. Não faça de seu filho um bibelô intocável. Deixe que ele caia algumas vezes para que possa aprender a se levantar. Você, mamãe e papai, não estará ao lado deles em todas as situações e nem para sempre. A vida fora daqui e de sua casa pode ser bem mais cruel com ele. Portanto, se frustrar, ser contrariado e ser corrigido fará parte da vida de seu filho em todas as fases da vida”.

CONFIANÇA ENTRE FAMÍLIA E ESCOLA

O palestrante destacou ainda uma relação que precisa ser fortalecida todos os dias: família e escola. “Ambas necessitam uma da outra para auxílio na educação das crianças. Se você, pai ou mãe, não confia na escola onde seu filho estuda, por favor, mude-o de instituição”.

As crianças podem se comportar de forma diferente em casa e na escola e isso, por vezes, gera inúmeros conflitos entre pais e instituição. “Ah, mas meu filho nunca faria isso” – Sim ele faria e fez! A criança pode ter um comportamento bem diferente na escola daquele que ela tem em casa. Portanto, pais, quando relatamos algum fato não estamos mentindo, ‘aumentando’, apenas dizendo a verdade. Confiem em nossos professores, coordenadores, pois, não apenas aqui no Colégio Unigrau, mas em todas as instituições de ensino sérias, sejam públicas ou privadas nós, enquanto educadores, temos o papel fundamental de alertar os pais quanto o comportamento dos filhos, seja ele bom ou ruim. Por favor não venham na porta da escola brigar com o professor, tirar satisfação com qualquer funcionário se você desconhece o comportamento da criança no ambiente escolar”.

Neste ínterim, Irmão Rodrigo fez um pedido aos pais: “qualquer dúvida que tiverem com relação ao comportamento das crianças, descontentamentos, etc, procurem a escola ao invés de serem precursores de fofocas e desinformações, inclusive nos ‘famosos grupos de Whatsapp’. A escola está aberta com toda uma equipe, que vai da direção, coordenação até professores para tentar solucionar da melhor forma possível o problema, sanar dúvidas e emitir explicações sobre qualquer assunto que os pais tenham dúvida. Mais do que os próprios alunos, os pais também precisam respeitar a escola, respeitar as regras institucionais estabelecidas. Só assim atingiremos objetivos comuns, que é preparar essas crianças não apenas para um vestibular, mas para a vida!”, concluiu.

http://www.minhasaojose.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *