Superintendente da SAERP garante que as análises químicas da água estão dentro dos parâmetros

http://www.minhasaojose.com.br
Daniel Cobra Monteiro participou da Tribuna Livre na Câmara e também falou sobre melhorias e a situação financeira da SAERP

Durante a Sessão Ordinária de terça-feira, dia 15, o superintendente da SAERP, Daniel Garcia Cobra Monteiro ocupou a Tribuna Livre para falar sobre a qualidade da água no município, bem como da autarquia como um todo.

O pedido para que o arquiteto participasse da Tribuna na Câmara foi feito pelo vereador Pedro Giantomassi, que assim como os demais vereadores, também se mostrou preocupado com relação às análises químicas da água na cidade, uma vez que relatórios feitos pelo ‘Mapa da Água’ destacaram que algumas substâncias químicas estavam acima dos parâmetros normais e aceitos.

De acordo com o superintendente foram levantados laudos de análises da água entre 2018 e 2020, período em que os relatórios foram realizados. “Conforme a SAERP analisou, apenas em 2019 essa análise apresentou o Trialometano com índices pouco maiores que os aceitáveis. E o Clordano (agrotóxico) e o Radio estavam dentro dos parâmetros normais”, destacou Daniel.

Entretanto, ele tranquilizou a população afirmando que, conforme levantamentos realizados em 2021 pela SAERP, as análises químicas estão normais, todas dentro dos parâmetros. “Inclusive esse índice mais alto do Trialometano já está dentro dos padrões”.

Daniel informou que todas essas análises, com os índices químicos estão disponíveis para consulta da população no site da SAERP – http://saerp-sjrp.com.br/

Ele alertou que para diminuir os níveis de Clordano na água é preciso diminuir o uso do agrotóxico nas lavouras, inclusive orientando os agricultores por meio de campanhas educativas e informativas.

O superintendente da SAERP também explicou sobre a turbidez da água, que muitos munícipes classificam como ‘água suja’ que chegam às suas residências. “A turbidez é um problema crônico em algumas regiões, que também é relativa a problemas estruturais e operacionais. A turbidez na água geralmente ocorre por conta de intervenções na rede, as quais vêm sendo realizadas constantemente em alguns pontos. Além disso, a turbidez também pode ocorrer por conta de limpeza de decantadores e filtros, cuja ação foi realizada pela SAERP e que não era promovida há 8 anos”, explicou.

MELHORIAS

Sobre a questão da turbidez na água, Daniel disse que já está em execução a instalação de descargas em pontos estratégicos da rede.

Ele também citou demais melhorias como a aquisição de dosador automático de flúor, investimento de R$ 120.000,00, execução de adutora no bairro Vila Formosa, cujo trabalho já está concluído.

“Também haverá execução de adutora na rua José Dermatini, com previsão para o mês de abril, execução da adutora na Avenida Perimetral, que será realizada junto com a obra e a instalação e início de operação de reservatório no Jardim Aeroporto. Estamos fazendo o possível para melhorar a estrutura dessas adutoras para também melhorar a qualidade da água oferecida na cidade”.

SITUAÇÃO DA SAERP

Daniel aproveitou o espaço e comentou sobre a atual situação financeira da SAERP. “A Pandemia prejudicou muito a autarquia, pois não foi possível execuções fiscais, protestos e cortes de água, cujo saldo negativo é de R$ 900.000,00. Em 2021 tivemos 17% de inadimplência com relação às contas de água”

Além disso, ele citou o aumento no custo da energia elétrica, que atualmente consome metade do orçamento da SAERP, bem como dos insumos, que também tiveram valores elevados durante a pandemia.

O superintendente afirmou que o sistema da SAERP é economicamente insustentável. “É preciso otimizar o sistema e para isso é preciso investimentos. Estamos buscando algumas alternativas para diminuir alguns custos, como a substituição de alguns insumos como o sulfato pelo policloreto de alumínio, o qual utilizamos em dosagem menor, sendo mais eficiente à qualidade da água. Também estamos promovendo a revisão de demanda de energia contratada, que gerará uma economia de cerca de R$ 38 mil mensais e a migração para o mercado de minas e energia, com previsão para novembro deste ano e a geração de economia à autarquia em 2023. Tudo isso nem poderíamos chamar de economia, mas de sobrevivência da SAERP”.

Ao final da explanação, Daniel respondeu a alguns questionamentos dos vereadores, além de dúvidas da população. O vídeo com a participação completa do superintendente da SAERP na Tribuna Livre está disponível no link https://www.facebook.com/camarasjriopardo/videos/324397173000995

Texto e foto: Natália Tiezzi – Assessoria Parlamentar da Câmara Municipal.

http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br