“Setor cafeicultor ainda não sentiu efeitos sérios da pandemia”, avaliou presidente da Cooxupé

http://www.minhasaojose.com.br

Entretanto, ele já prevê uma mudança de consumo do café devido à queda do poder aquisitivo global diante da crise  provocada pela Covid-19

O setor cafeicultor no Brasil não sentiu, por enquanto, efeitos sérios da pandemia do novo coronavírus, avaliou o presidente da Cooxupé, Carlos Augusto Rodrigues de Melo, em webinar promovido na segunda-feira, 15, pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag). Melo, que representa a maior cooperativa de café do mundo, com 15% da produção nacional de arábica ou 6,4 milhões de sacas, diz que os produtores conseguiram proteger preços no mercado futuro e, assim, garantir lucratividade. “Grande parte da safra já está ‘hedgeada’”, disse, e acrescentou: “mesmo com a covid-19, originamos muito café e vendemos a preços significativos; se não muito bons, pelo menos cobriram nossos custos”.

Melo comentou que, se no ano passado os preços não estavam compensadores, a partir de dezembro até o início deste ano as cotações começaram a melhorar e o produtor pôde, assim, proteger sua produção em bolsa. “Além disso, dentro do agro, fomos privilegiados porque quando o coronavírus chegou não estávamos ainda na colheita e já tínhamos vendido a safra (2019/2020)”, continuou ele, lembrando que não era um período de compra de insumos.

Melo disse que agricultores foram privilegiados porque quando o coronavírus chegou ainda não estavam na colheita, já haviam vendido a safra (2019/2020) e que não era um período de compra de insumos (crédito da foto: Revista Midia)

Carlos Melo comentou, ainda, que importantes feiras do setor cafeicultor ocorreram exatamente antes de o coronavírus ocorrer no Brasil e, com isso, os negócios não foram afetados.

O futuro, entretanto, traz insegurança. “Por enquanto estamos tranquilos, mas o futuro ainda é incerto (por causa dos reflexos que a pandemia vai trazer)”, disse.

A pandemia de coronavírus começa a ter reflexos no consumo global de café e isso deve afetar os negócios da Cooxupé. Melo lembrou que a rede de cafeterias Starbucks anunciou recentemente o fechamento de mais de 50 lojas na Ásia, o que tem reflexos diretos nas exportações da cooperativa.

Mais para a frente, a perda de poder aquisitivo da população no mundo por causa do coronavírus também afetará o consumo da bebida, trazendo mudanças de hábitos. “O consumo de cafés especiais, por exemplo, caiu”, sinalizou. “É inevitável que, dentro do quadro de indefinição atual, a mudança de consumo ocorra, o que já é claro e evidente. E ela poderá se agravar no futuro, dada a queda no poder aquisitivo global.”

Com informações do Isto é Dinheiro. Foto de capa: Agroinforme

http://www.minhasaojose.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br