Carboidrato: Ele não é tão vilão assim…

http://www.minhasaojose.com.br

A Nutricionista Marina Fechio explica porque ele é essencial para o corpo, porém na quantidade certa

Precisa emagrecer e lá vai você cortar o carboidrato da alimentação. Saiba que ele não é tão vilão quanto a maioria das pessoas pensam, ao contrário, ele é essencial para o fornecimento de energia do corpo. Porém é necessário compreender que esse macronutriente deve sempre ser consumido moderadamente, assim como qualquer outra classe de alimentos.

Para explicar sobre os prós e contras do carboidrato, a reportagem conversou com nutricionista Marina Féchio que, entre outras explicações, disse que em algumas dietas não é nem mesmo recomendável a restrição a alimentos que possuem esse tipo de açúcares.

“Vou começar falando dos obesos. Nos planos alimentares que faço para meus pacientes que têm obesidade não tiro completamente o carboidrato, pois toda a restrição alimentar, o que inclui alimentos ricos em carboidratos, pode gerar uma compulsão e surtir exatamente o efeito inverso: engordar ainda mais”, explicou Marina.

A nutricionista também disse que isso vale para qualquer pessoa que pretende emagrecer. “Repito que toda a restrição alimentar pode gerar uma compulsão em comer. E isso também em pessoas que não são obesas. Já atendi muitos casos aqui em que o paciente começa uma dieta radical e corta de uma vez o carboidrato e, na verdade, acaba ganhando mais peso ainda”.

Já no ganho de massa muscular, o carboidrato deve ser amentado, sendo mais um caso em que ele não deve ser restrito ou visto como ‘vilão’. “Em algumas situações em que o carboidrato é restringido ou mesmo diminuído, por exemplo, os pacientes se queixam de dores de cabeça, entre outros sintomas.

Em todas essas situações é necessário uma avaliação do nutricionista para traçar o plano alimentar mais correto para cada paciente. A individualidade, também no caso do consumo do carboidrato, é essencial”.

Marina também mencionou as dietas Low Carb, que estão em alta, entretanto precisam de muito cuidado quando colocadas em prática. “Low Carb não é indicada para todo mundo. E também não sou a favor daquelas radicais pois geralmente não funcionam. Novamente recomendo que antes das pessoas começarem a faze-las que busquem orientação de um nutricionista”.

FRITURAS E EMBUTIDOS: OS VERDADEIROS VILÕES

Marina explicou que basicamente há dois tipos de carboidratos: os simples, que estão presentes no açúcar refinado, pão, bolachas e doces em geral. E os complexos, que estão presentes no pão integral, batata-doce, mandioca e cereais integrais.

“Entretanto, os grandes vilões da alimentação são mesmo as frituras e os embutidos, aliás eles são bem piores que os carboidratos complexos. De nada adianta restringir ou mesmo diminuir os carboidratos na alimentação sem reduzir o consumo de frituras e embutidos. Tenho pacientes que dizem não comer pães, mas exageram naquele presunto, mussarela e na batatinha frita”, observou.

COMO ‘ENGANAR’ O CARBOIDRATO

Marina afirmou que nenhum tipo de alimento deve ser restrito. Tudo pode ser ingerido, mas na quantidade e no momento certo. “O melhor momento de comer um pedaço de chocolate, por exemplo, é após o almoço. Primeiro é recomendada a ingestão das fibras (saladas, feijão, carnes, enfim, o almoço em si) para depois aconteça a ingestão do carboidrato, assim o organismo vai absorve-lo mais lentamente e não vai estoca-lo como gordura”, explicou.

E não apenas nos adultos que o consumo de carboidrato deve ser controlado. “A obesidade está crescendo entre as crianças justamente pela forma incorreta de se alimentarem desde cedo. Recomendo que os pais deem o exemplo de uma alimentação mais saudável, já que boa parte do que a criança ingere é o que os pais também ingerem”.

Mas, será que existe algum alimento rico em carboidrato que realmente devemos evitar? “Sim. O açúcar refinado deve ser evitado, portanto, prefira sempre alimentos naturais, inclusive temperos. Evite também todos os tipos de salgadinhos, tipo snacks, refrigerantes e sucos em pó e de caixinha”.

Com relação aos fast foods, que todos sabem que são ricos em carboidratos, Marina recomendou o consumo sempre com moderação, inclusive da cerveja, sendo que a melhor opção são as ‘Puro Malte’, já que possuem menos aditivos e, consequentemente, menos carboidratos. “Um pedaço de pizza, um lanche, um pedaço de pudim no final de semana não vai matar ninguém. Mas comer fast food todos os dias é intoxicar seu organismo diariamente. Também não adianta seguir um plano alimentar durante toda a semana e ‘enfiar o pé na jaca’ comendo tudo que vê pela frente no sábado e domingo. Alimentar-se bem é hábito, assim como maneirar no consumo de carboidrato. Ao invés daquele pãozinho ou bolo, que tal uma fruta?”, concluiu.

http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br