PROERD retorna às atividades após 2 anos sem aulas por conta da Pandemia

http://www.minhasaojose.com.br
Em 2022, mais de 1.000 alunos do 5º ano de escolas públicas e particulares participarão do Programa em Rio Pardo (Foto arquivo PROERD – Divulgação)

Entrevista e texto: Natália Tiezzi

Após dois anos sem atividades por conta das restrições impostas pela Pandemia da Covid-19, o PROERD – Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência está de volta às salas de aula. Neste 2022, mais de 1.000 alunos do 5º Ano do Ensino Fundamental de escolas estaduais, municipais e particulares participarão em Rio Pardo.

Em entrevista ao www.minhasaojose.com.br, a Cabo PM Marta Aparecida Caldeirão Canato, que é instrutora do PROERD e ministra as aulas nas escolas, destacou a satisfação do retorno das atividades e a importância do PROERD não apenas na formação das crianças, mas na orientação às famílias.

“O modelo do PROERD nasceu dos Estados Unidos e foi incorporado no Brasil pela Polícia Militar 25 anos atrás. Aqui em Rio Pardo ele é desenvolvido desde 1998, tendo como primeiro instrutor o Cabo Corrêa”, informou a Cabo Marta, que neste completa 20 anos no Programa.

As aulas do PROERD são divididas em duas etapas durante o ano. A primeira delas já está acontecendo, envolvendo nove escolas, 19 salas e mais de 600 alunos. Na segunda etapa, realizada no 2º semestre, mais seis escolas participarão, com mais de 400 alunos.

“O PROERD é direcionado à essa faixa etária dos 10, 11 anos especificamente porque é uma fase de transição entre a infância e a adolescência. Há inúmeras dúvidas, curiosidades acerca de tantos assuntos e falar sobre drogas e violência é essencial para preparar essas crianças para o que vão encontrar mundo afora”, destacou.

Ela disse que durante as aulas são abordados assuntos que vão além da própria cartilha, mas que também são formas de violência contra as crianças e jovens, como a Pedofilia, por exemplo. “As crianças precisam ficar atentas e conhecer todas as formas de violência que podem ser praticadas contra elas. Violência não se restringe a uma agressão física”, ressaltou.

A Cabo PM Marta, que também é instrutora, está completando 20 anos de atividades no PROERD

CONFIANÇA NO PROERD

A Cabo Marta aborda as crianças de uma forma muito especial durante as aulas, sempre com postura firme, mas de maneira carinhosa, o que conquista a confiança dos alunos. “Nestes mais de 20 anos de PROERD, sempre quando entro em sala de aula, peço a Deus que seja a minha palavra e que ela chegue no coração de cada aluno. Sinto e sei que estou passando algo de bom para eles e também desmistificando o próprio policial, que muitas vezes é visto como inimigo. No Programa, as crianças, apesar de terem muito respeito comigo, me enxergam como uma amiga, em que podem confiar”, disse.

E a confiança é tanta que muitas crianças trazem situações inusitadas que estão vivenciando no ambiente familiar para o Programa. “Já ouvi muitos relatos de violência doméstica e até de abuso. Como o PROERD tem uma linguagem bem específica, as crianças se sentem à vontade para falar comigo, pois também abro espaço para que isso ocorra. Essa abertura, o ouvir esses alunos já ajudou a solucionar muitos problemas familiares que envolvem as questões abordadas no Programa”, observou.

Entre algumas histórias marcantes que já vivenciou no PROERD, a Cabo PM Marta destacou algumas, como a do pai que chegou até ela e disse que havia parado de fumar porque o filho explicou a ele os males do cigarro, informados através do Programa. “A criança é um grande difusor de informação. Tudo que ela aprende no PROERD ela comenta em família, como neste caso, que ajudou um pai a vencer o vício do cigarro. Além das crianças, o Programa também é um auxílio aos pais para aprenderem a lidar com essa questão das drogas. A cartilha não é apenas para as crianças, mas também para os pais tirarem suas dúvidas e eu também me coloco à disposição para auxilia-los. Sei o quão difícil é para os pais lidarem com essa fase de transição dos filhos”, disse.

Outra história que a marcou ocorreu em outro município. “Temos a ‘caixinha do PROERD’, onde deixamos nas salas de aula e os alunos podem fazer perguntas, geralmente relativas ao conteúdo ou até sobre nós, os instrutores, já que eles ficam curiosos. Certa vez, o instrutor encontrou um bilhete dentro dessa caixinha, o qual o aluno pedia ajuda, pois estava sendo vítima de abuso. Depois das averiguações foi constatado que ele realmente estava falando a verdade. Muitas vezes o PROERD é uma forma dos alunos pedirem socorro para alguma situação que eles não podem ou não conseguem resolver em casa, em família. E por isso é tão importante essa relação de confiança entre o policial instrutor e as crianças”.

Marta durante uma das formaturas do PROERD antes da pandemia. (Foto: Roberta Simões)

FORMATURA

Neste ano, como nos anos anteriores em que o Programa foi desenvolvido, duas formaturas acontecerão, sendo uma no 1º e outra no 2º semestre. “Esse é um dia muito especial, onde os alunos se reúnem, recebem o certificado do PROERD, cantam, dançam e temos muito convidados, inclusive autoridades. Acredito que neste ano já será possível fazermos a formatura também”, disse a Cabo PM Marta.

Aprendizado, informação, formação, auxílio. Marta concluiu que seu maior objetivo enquanto instrutora do PROERD é fazer a diferença na vida dos alunos. “Sou apenas um instrumento do Programa e quero que essas crianças se lembrem de mim e dele como algo positivo em suas vidas e de suas famílias. Muitas vezes encontro ex-alunos, pais que me emocionam ao dizerem que o PROERD fez a diferença na vida deles e os auxiliou de alguma forma a torna-los cidadãos de bem. “Você salvou a vida do meu filho”, “Esse Programa me auxiliou com as crianças”, “Quero ser como você quando eu crescer, um policial ou uma policial”, são frases que me marcaram e ainda me marcam no PROERD. E que eu possa fazê-lo durante muitos anos, ajudando também nas próximas gerações, pois é gratificante saber que você ensinou algo que marcou positivamente a vida de uma criança, de uma família, de um pai, de uma mãe”, concluiu a Cabo PM Marta.

A Cabo PM Marta durante as aulas do PROERD nas escolas: relação de confiança entre a Polícia Militar e as crianças (Foto registrada antes da pandemia)
http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br