Gustavo Agostinelli: amor, dom e prazer em ser Cabeleireiro

http://www.minhasaojose.com.br
ELE COMEÇOU A ‘LIDAR COM AS MADEIXAS’ AOS 14 ANOS E HOJE É UM DOS MAIS CONCEITUADOS PROFISSIONAIS DA CIDADE

Em homenagem a todos os cabeleireiros e cabeleireiras de São José, cuja data comemorativa ao profissional aconteceu em 3 de novembro, nosso site traz uma entrevista especial com um dos mais queridos e respeitados hair stylist da cidade, Gustavo Prado Agostinelli.

Ele contou detalhes de sua carreira, que completou 19 anos, e confessou que desde criança sempre gostou da beleza, da moda, das artes e, claro, de cabelos!

O jeito carismático, o profissional ético e perfeccionista quando empunha suas tesouras, prepara suas colorações e usa suas escovas para transformar muito mais que o cabelo de seus clientes, mas a autoestima e a confiança, fazem de Gustavo o grande calebeireiro que se tornou.

Ele falou com sua sinceridade, que também lhe é peculiar, sobre o melhor e o pior em ser um empreendedor, já que há quase três anos tem seu próprio salão de beleza, bem como dos clientes, digamos, ‘difíceis’, sua paixão por penteados e maquiagens em noivas e o que espera para o futuro numa das profissões mais dinâmicas do mercado. Confira, abaixo, a entrevista na íntegra.

Natália Tiezzi Manetta: Gustavo, quando você se descobriu cabeleireiro?

Gustavo Agostinelli: Desde criança sempre gostei de beleza, moda, artes e… cabelos! Aos 14 anos, quando ingressei no meu primeiro curso voltado à área, já fui contratado para auxiliar de cabeleireiro e nunca mais larguei as tesouras e as escovas!

E com quantos anos você se tornou profissional?

Aos 18 anos. Foram quatro anos de muito aprendizado na Loira Estética e Beleza, salão que permaneci trabalhando por 16 anos. Comecei como auxiliar e me tornei sócio da empresa. Aprendi muito lá e sou grato a todas essas etapas profissionais que passei.

Por que optou por ter o seu próprio salão?

Acho que chega um momento na vida de qualquer pessoa, seja qual área atue, que ela quer colocar a própria identidade no trabalho e foi isso que aconteceu comigo. Eu queria ter um espaço onde pudesse ter mais liberdade para mostrar a minha arte, criar, enfim, um lugar com a minha identidade profissional.

E você já saiu do espaço onde trabalhava e abriu o salão?

Não. Todo processo levou dois meses e neste tempo atendia meus clientes na garagem de minha casa. E neste ponto me surpreendi, pois muita gente que soube que eu hava saído do salão me ligou para saber onde eu estava trabalhando. Atendi inúmeros clientes ali mesmo, na minha casa, com uma estrutura reduzida, mas sempre com muita atenção e carinho, pois este período que fiquei em casa foram nos meses de dezembro e janeiro, épocas em que os salões ficam cheios!

Como foi formar sua equipe de trabalho?

Na verdade todos os profissionais que trabalham aqui, sendo que atualmente minha equipe é formada por 7 pessoas, já haviam trabalhado comigo em outras ocasiões. Acredito que isso até facilitou, pois todos já conheciam meu ritmo de trabalho e o que eu realmente queria que fosse desenvolvido aqui. E, graças a Deus, eles abraçaram a ideia junto comigo.

O que é o melhor e o que é o pior em ser o ‘dono do próprio negócio’?

Nossa, digo que aprendi muito aqui nestes últimos dois anos… Acho que o melhor é ter a liberdade de ser e fazer o meu trabalho conforme os meus objetivos. E o pior é a incerteza do negócio, pois não é fácil hoje em dia manter uma porta aberta. Sei que sou o ‘responsável’ por mais sete famílias que dependem deste trabalho.

Como é saber que você faz parte de várias gerações de clientes?

Puxa, é verdade! É satisfatório para mim ter cuidado do visual da avó, da mãe, agora da filha. Já fiz cabelo e make da debutante que tornou formanda, que ficou noiva e que agora é mãe. Isso é sinal da confiança que tento passar aos meus clientes e acho que vem dando certo!

MUITAS GERAÇÕES: MUITAS PESSOAS ACOMPANHAM O TRABALHO DE GUSTAVO E SÃO CLIENTES DESDE QUE ELE COMEÇOU NA PROFISSÃO, HÁ 19 ANOS

Você já teve clientes difíceis?

Não digo difíceis, mas com opiniões divergentes. Tenho clientes que já vêm com uma idéia fixa sobre um corte e um penteado e não abrem espaço para que eu possa opinar se aquilo vai ficar bom ou ruim. Têm aqueles que tem uma idéia do que querem e abrem espaço para eu dar a minha opinião e também existem aqueles que chegam aqui e dizem: ‘estou em suas mãos’, enfim, têm clientes para todos os gostos! Muita gente pensa que lidar com noivas é difícil, mas digo que não. Como me especializei em cabelo e maquiagens exclusivos para elas Deus só vem colocando noivas bem tranquilas no meu caminho (risos). Claro que temos que saber lidar com o nervosismo, inclusive quando ele passa um pouco dos limites, mas nada que fuja da normalidade para uma ocasião tão especial, que é o casamento.

Além de noivas, você sempre busca se especializar por meio de cursos, inclusive fora do Brasil. Em quais países já participou destes cursos?

Acho que a atualização do profissional é essencial, do cabeleireiro então é primordial, pois as tendências mudam muito, tanto nacionais quanto internacionais. Já participei de cursos na França, em Dubai e em 2020 estarei em Londres para mais um! Tento sempre alinhar o que aprendo aos meus clientes, porém sem nunca seguir apenas os modismos, até porque não existe um padrão de beleza nesta profissão. Cada cliente tem a sua própria beleza e eu respeito muito isso.

Para você, o que é ser cabeleireiro?

É uma arte que é usada para realçar e despertar a beleza do ser humano, seja através de um corte, de um penteado, enfim. Ser cabeleireiro é exaltar a expressividade do cliente por meio dos cabelos, da maquiagem. É elevar sua autoestima, sua autoconfiança. E para que isso aconteça tenho que estar conectado com o perfil desse cliente e sempre me colocar no lugar dele para tentar saber o que ele está sentindo. Quando consigo isso sinto que minha missão enquanto profissional está sendo cumprida.

Agora, para finalizar, o que o Gustavo Agostinelli anseia para o futuro?

Prosperidade e muita, muita beleza para todos nós!

GUSTAVO E SUA EQUIPE: PROFISSIONAIS QUE ELE JÁ CONHECIA E AGORA UNIDOS NUM MESMO PROPÓSITO NO SALÃO ‘GUSTAVO AGOSTINELLI CABELO & CIA’
http://www.minhasaojose.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores minhasaojose@uol.com.br