CIDADEDESTAQUEEDUCAÇÃO

Dirigentes da FEUC abordaram a situação da faculdade e expectativas aos próximos anos

http://www.minhasaojose.com.br
As Dirigentes da FEUC, Alessandra Oliveira e Gabriela Della Torre durante participação na Tribuna Livre

Texto e fotos: Natália Tiezzi – Assessoria Parlamentar da Câmara Municipal

Durante a 29ª Sessão Ordinária da Câmara, realizada na tarde de terça-feira, 19, as dirigentes da Faculdade Euclides da Cunha – FECU, Gabriela Della Torre e Silva, e Alessandra Oliveira Ribeiro Zane participaram da Tribuna Livre, onde explanaram sobre a situação atual da autarquia e as expectativas para os próximos anos na faculdade.

O pedido à participação de ambas foi de autoria do vereador Henrique Torres, que destacou sua preocupação, desde o início do mandato, com a FEUC, a qual, segundo ele é um patrimônio rio-pardense e que merece ter mais investimentos e notoriedade.

Como de praxe, as dirigentes abordaram os temas propostos, destacando o recredenciamento do curso de Educação Física, um dos que tinham mais demanda na instituição e que estava parado, bem como o de Ciências da Natureza, cujo projeto foi autorizado pelo Conselho Estadual de Educação, sendo um pleito de cerca de sete anos.

“Também gostaríamos de destacar que os cursos oferecidos pela FEUC estão atualizados conforme leis, diretrizes curriculares, sendo que essas renovações são realizadas a cada quatro anos. Estamos aguardando somente a aprovação do projeto referente ao curso de Administração, que está sendo trabalho dentro das diretrizes atualizadas”, observaram Gabriela e Alessandra.

Elas informaram que os Projetos de Extensão, que não estavam sendo desenvolvidos há muito tempo voltaram a ser promovidos na faculdade. “Aos poucos, a FEUC está caminhando novamente, afinal não podemos deixar de lado 57 anos de história. Muitos de nossos professores são graduados pela faculdade e nossos alunos cobram melhorias, as quais estamos revendo, trabalhando e fazendo os ajustes necessários para oferecer sempre um ensino superior de qualidade”.

SITUAÇÃO FINANCEIRA

Gabriela observou que não é fácil administrar a FEUC, mas que correções tiveram que ser realizadas para sanar problemas antigos, como a concessão de bolsas de estudo, por exemplo. “A política de bolsas de estudo está mais criteriosa, embasada em lei, o que vem contribuindo à saúde financeira da instituição”.

Ela afirmou, ainda, que após muitos anos, desde 2013, as contas referentes ao ano de 2021 da FEUC foram aprovadas pelo Tribunal de Contas.

“Sabemos que a FEUC depende dos repasses da Prefeitura para se manter e que isso vem ocorrendo por mais de 20 anos. Nosso objetivo é aumentar o número de alunos, inclusive com a implantação de novos cursos, gerando mais receita e diminuindo o impacto financeiro ao Executivo Municipal”, disse a dirigente.

Ambas responderam a questionamentos dos vereadores e ouviram sugestões, principalmente para angariar mais alunos e recursos à autarquia

ALTERNATIVAS AO DESENVOLVIMENTO

Após as explanações, o vereador Henrique Torres, mesmo diante das explicações, ainda se mostrou preocupado com a situação da FEUC. “Não dá para uma faculdade se manter com pouco mais de 60 alunos, mas há alternativas que podem contribuir para angariar mais alunos e recursos”.

Ele citou investimentos em tecnologia, principalmente voltados ao Ensino à Distância – EAD, sendo essa uma realidade em muitas universidades e que vem obtendo bons resultados, tanto do ponto de vista de oportunidade de estudos aos que não podem frequentar o ensino presencial, mas principalmente como fonte de renda à FEUC.

“É preciso enxergar o EAD como futuro do ensino superior, aliás, como presente, já que inúmeras faculdades já o adotaram e estão garantindo alunos e recursos justamente por conta dele. Isso pode ser feito aqui também, mas é preciso investir e querer que dê certo”, afirmou.

Outro ponto que Henrique mencionou e que, segundo ele, poderia auxiliar nos recursos à faculdade seria a reativação do laboratório, sendo que este serviço era prestado à comunidade, auxiliando inclusive a Prefeitura nas demandas. “Esse é um apontamento de muitos munícipes que gostariam de ter o laboratório de análises funcionando novamente”.

Demais vereadores também reiteraram a importância de um olhar mais voltado à FEUC, enaltecendo as conquistas, mesmo que pequenas, ao longo dos últimos anos, mas apontando alguns caminhos, como discussão acerca da democratização do ensino da FEUC, sendo esta uma autarquia municipal, bem como investimentos mais consistentes com os recursos oriundos da Prefeitura à faculdade.

Embora com pontos de vista diferentes, os vereadores foram unânimes em afirmar que não querem ver a FEUC de portas fechadas, mas sim buscando alternativas para o seu desenvolvimento, contribuindo à sociedade e auxiliando na formação superior de rio-pardense e de toda a região, como já ocorreu décadas atrás.

O conteúdo completo da Tribuna Livre pode ser acessado pelo link: https://www.facebook.com/camarasjriopardo/videos/324886703412132

http://www.minhasaojose.com.br