Delícias da ‘Da Fer’: Transformando o açúcar em bons negócios

http://www.minhasaojose.com.br


Ela é advogada por formação, também fez curso de Magistério e trabalhou como técnica em Contabilidade, mas foi na própria cozinha que se encontrou como profissional e deixou aflorar sua paixão pela confeitaria.

Hoje, Fernanda Vitorino Mazzotti, a ‘Fer’, como é conhecida por todos, fez da arte de confeitar uma terapia e, claro, uma fonte de renda.

A confeitaria esteve presente em sua vida desde criança, mas foi o fechamento de uma das lojas comerciais da família que fez com que Fer despertasse o interesse pelo doce sabor do açúcar, já que como ela mesma diz ‘confeitar com amor é arte e terapia’.

Medos, coragem, estudos, persistência, dedicação e muito amor por tudo que faz: assim é a Fer, cuja história de sucesso na confeitaria vocês conhecem a seguir. Confiram!

Minhasaojose: Fer, o que te levou a confeitar?

Fer: Na verdade, com o fechamento de uma das lojas da Ariofa, fiquei meio perdida em casa, pois passava o dia todo trabalhando na sorveteria. Para ocupar o tempo comecei a fazer um bolinho aqui, outro acolá, principalmente para meus filhos, inclusive eles foram meus primeiros incentivadores. Toda vez que eu fazia eles diziam: ‘nossa mãe, ficou uma delícia, faz para vender’.

Você já sabia algumas técnicas ou começou com a cara e a coragem?

As duas coisas! (risos). Aprendi muita coisa com a minha querida mãe. Ela fazia bolos e salgados e minha irmã e eu saíamos para vender pelas ruas. Éramos crianças e adorávamos ajuda-la… Minha mãe foi a primeira referência na confeitaria e o que eu vendia pelas ruas me ajudou também a ser uma boa vendedora atualmente. Ela me ensinou duas vezes: a confeitar e a vender.

E os medos? Você teve algum, principalmente no início?

Confesso que morria de medo de fazer bolo de aniversário, aqueles maiores, em camadas, com diversos recheios… Porém sempre fui muito ‘teimosa’, digamos assim. Fiz dois cursos, passei a acompanhar inúmeras receitas pela Internet e testar. Na verdade, a cada receita nova, sinto um pouquinho de medo, pois testo antes tudo que ofereço aos meus clientes. E já joguei muita massa de bolo fora… enquanto não tiver da forma como eu ofereceria para meus filhos comerem eu não entrego! Mas, com a prática, os medos se transformam em incentivos para busca de mais informação e aprimoramento.

Quando você começou a fazer os bolos para vender?

Vender mesmo foi em 2016. Muitas vezes fazia, principalmente bolos simples e o famoso ‘pedacinho de amor’, que é um bolo gelado, receita de minha mãe, e levava na escola de meus filhos para as professoras experimentarem… No começo dei muito bolo grátis e sempre fiz questão de perguntar, a cada um que experimentava, o que tinha achado, em que eu poderia melhorar, etc. Foi a partir daí que começaram as encomendas. Lembro que o primeiro bolo de aniversário que fiz foi ‘Ouro Branco’ e fiquei meio apavorada com medo de não conseguir entregar, mas, no final, graças a Deus deu tudo certo.

Você acredita que fazer bolos é realizar um espécie de sonho do aniversariante?

Sim, claro. Todo aniversário tem que ter o quê? O bolo! E por isso digo que minha responsabilidade é muito grande, pois, de certa forma, está nas minhas mãos realizar ou não esse sonho. Nunca fiquei sem entregar um bolo, mas, claro, pode acontecer. Porém, procuro sempre me preparar, até psicologicamente, quando vou colocar a mão na massa. Quando não estamos bem nem a massa cresce!

Já atendeu algum pedido de bolo muito difícil?

Muitas vezes e em todas elas eu falo para o cliente: vou me informar sobre tal recheio, tal receita, mas vou entregar, pode confiar.

Qual foi a sua maior produção em um dia?

Acho que foi para o Natal de 2017. Fiz seis bolos, entre encomendas para aniversários e pedidos para a Ceia, mas não pego mais tantas encomendas para o mesmo dia. Não gosto de fazer nada apressadamente, ainda mais se tratando de confeitaria, que possui etapas bem definidas para o êxito nas preparações. Além disso trabalho somente com coisas frescas, inclusive massas e recheios. Prefiro manter a qualidade do que exceder a produção.

Além dos bolos para festas e para o cafezinho da tarde, quais outras delícias você faz?

Pães, inclusive o de Ninho, que está fazendo muito sucesso, além dos recheados, e agora as famosas bolachinhas de pinga, com receita da Internet e que deu muito certo – em pouco mais de uma semana já fiz uns 20 quilos dela. Também faço docinhos (em cento) para festas e os maiores, que são vendidos na sorveteria Ariofa, à praça Oliveiros Pinheiro. E, na verdade, não tenho cardápio específico. Tem dias que eu acordo, faço as encomendas e depois já começo a fazer uma massa para pão, por exemplo. Ah, e faço muita coisa a pedido dos próprios clientes. Alguns chegam e dizem assim: Fer, você já fez essa bolachinha? Aí eu digo: não, mas vou pesquisar e fazer, pode deixar!

Além da propaganda boca-a-boca, você faz uso das redes sociais para vender seus produtos?

Sempre, desde o começo. Acabo de fazer a receita, já posto foto do produto e vendo rapidinho. A Internet me ajuda muito!

Para finalizar, quais são suas perspectivas para o futuro?

Acho que sempre equipar bem minha cozinha, pois aqui é meu local de trabalho, e testar mais e mais receitas. Além disso estudar, me aprimorar sempre, pois meus clientes merecem! E, quem sabe, expandir para atender a demanda na região.

Para quem quiser saborear as delícias ‘Da Fer’, as encomendas podem ser feitas pelo Whatsapp (19) 9 – 8827-6461, pelo Facebook: Fernanda Fabio Mazzotti ou diretamente em sua residência, à rua Gabriel de Andrade, 665, Jardim Bela Vista.

http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br
Secured By miniOrange