Superação: De dependente químico a Conselheiro Terapêutico no PEVI

http://www.minhasaojose.com.br

Antônio perdeu tudo, inclusive a vontade de viver, mas encontrou dentro de si e em Deus a força e a coragem para recomeçar

Reportagem e texto: Natália Tiezzi Manetta

Você, internauta, já pensou em desistir de alguma coisa em sua vida, ou melhor, da própria vida? Não se assuste com a pergunte. Apenas fica o convite para que leia, com muita atenção e carinho, nossa matéria destaque desta semana, que contará um pouco sobre Antônio Carlos da Silva, um homem de 44 anos que, sim, perdeu a vontade de viver devido a inúmeras provações, mas que superou todas elas quando encontrou dentro de si e em Deus a força e a coragem para… Recomeçar!

Antônio também encontrou na Comunidade Terapêutica Pevi oportunidade de mudar seu pensamento e atitude perante às drogas

Natural de Caconde, Antônio é um homem de dicção perfeita, inteligente, que passou em quatro concursos públicos, mas que durante mais de 20 anos não soube lidar com suas próprias emoções e aflições.

Ele se casou muito jovem e vivia bem com a esposa e as filhas em sua cidade natal. Tinha um bom emprego, mas, após alguns anos, conheceu uma outra mulher que, à época, tinha apenas 17 anos. “Aquela pessoa virou minha cabeça. Era uma paixão daquelas avassaladoras. Me relacionei durante um ano com ela e mantive, concomitantemente, meu casamento. Era uma vida dupla muito complicada. Até que um dia, essa pessoa, talvez num ato de sanidade, me deixou. Isso foi o estopim para que minha vida começasse a entrar em um caminho quase sem volta”, contou.

Após o término do relacionamento extra-conjugal, Antônio pediu contas do serviço público que tinha e foi trabalhar em um restaurante. “Eu nunca tinha bebido, fumado ou feito algo parecido na vida. Mas estava tão transtornado com tudo que havia acontecido que comecei a beber. E eu bebia muito. Percebi que tinha uma predisposição para o álcool e cada vez bebia mais e mais, porém a bebida não fazia efeito, eu não ficava alterado, bêbado”, afirmou.

E da bebida para as drogas foi apenas um passo. “Eu sabia que um conhecido usava e pedi a ele cocaína. Ele me aconselhou a não começar, pois quem entrava nisso dificilmente conseguiria sair. Não dei ouvidos. Comecei com a cocaína, usei maconha também, mas não gostei do efeito em meu organismo e, finalmente, cai no crack”, lembrou.

O FUNDO DO POÇO

Antônio disse a droga fez a sua vida conjugal e pessoal definhar. “Eu já não tinha controle sobre minha mente, meu corpo. Me endividei por conta da droga, via minha ex-esposa e minhas filhas sofrerem, mas o vício era mais forte que eu mesmo. Lembro-me de um dia em que fiz um acerto de um trabalho e recebi R$ 700,00. Fiquei dias fora de casa, consumi o dinheiro todo em droga e quando voltei minha mulher apenas me perguntou se eu estava bem e que bom que eu havia voltado para casa…”.

Entretanto, a situação ficou insustentável: Antônio já não tinha emprego fixo, gastava o que ganhava com as drogas e passava dias longe da família. “Minha ex-mulher não aguentou. Certo dia eu cheguei em casa após ter passado um período fora e não encontrei mais nada e mais ninguém. Ela tinha ido embora com minhas filhas”.

Sozinho, sem nenhum tipo de apoio, Antônio acabou com o que tinha e veio para São José, onde passou a morar nas ruas. “Eu não vivia para mais nada, a não ser para a droga. Eu me sentia culpado por tudo que estava acontecendo, pensava na minha família, nas minhas filhas, mas não conseguia forças para sair daquele fundo do poço em que estava. Tinha perdido a vontade de viver”.

Antônio passou a viver como mendigo. “Tudo o que eu conseguia era para comprar droga. Se me oferecessem um lanche ou uma porção de entorpecente, por exemplo, eu preferia a droga do que comida”.

A Comunidade Terapêutica Pevi entrou na vida de Antônio pela primeira vez em 2009, quando o marido de uma tia lhe aconselhou a passar pelo tratamento. “Fiquei quatro meses residindo no Pevi, mas voltei para as ruas novamente. Depois, em 2015, tive a chance de voltar para a Comunidade, onde permaneci por mais 6 meses. Quando sai fui visitar minha filha em Poços de Caldas, onde reside e, após uma discussão com meu genro, 30 dias depois, voltei para as ruas”.

Neste momento, Antônio desistiu de vez da vida. “Dizia para mim mesmo: ‘não valho nada. Todos estendendo a mão, tentando me ajudar, e eu não fazendo absolutamente nada para me livrar dessa vida miserável. Confesso que pensei em suicídio e quase me atirei à frente de um caminhão. Não tive coragem. Minha sina seria morrer pelas drogas mesmo. Eu estava tão desnorteado que tomava etanol, o mesmo que utilizava para limpar um objeto que utilizava para fazer uso da droga”.

AS MÃOS DE DEUS EM SUA VIDA

A salvação de Antônio começou pela atitude do padre Sebastião, que o conhecia devido às internações no Pevi e também porque ele vagava pela praça da Paróquia São Roque. “Certo dia, em março de 2016, o padre Sebastião me ofereceu um pão, café ali mesmo na pracinha e, enquanto eu comia, ele entrou em contato com a Comunidade Terapêutica para conseguir uma nova internação para mim. E já veio logo me dizendo: ‘você vai para o Pevi agora. Não posso te levar, mas vou pedir para alguém fazer isso’. A moça que ele pediu para me levar desconversou, talvez tenha se assustado com meu estado físico: magro, sujo, barbudo… E foi aí que o padre Sebastião desmarcou todos os compromissos para me levar até lá. E eu, novamente, fugi da minha realidade, literalmente”.

Com sete reais no bolso, Antônio comprou um corote de pinga e um pouco de fumo, sentou no meio de uma mata e naquele instante conversou com Deus. “Com lágrimas nos olhos, eu chamei Deus para um conversa séria, definitiva. Ponderei os prós e os contras de voltar ao Pevi e o álcool acabou, aliás, tudo havia acabado. Ou eu recomeçava ou me lançaria à morte. E Deus me guiou até o padre Sebastião novamente, que me levou à Comunidade. O tratamento durou cinco meses. Após esse período me vi de volta à sociedade. Mas, o que fazer daqui para frente?”, questionou.

Ao contrário das demais internações, Antônio buscou apoio espiritual e, segundo ele, foi isso que fez a diferença em sua recuperação. “O pilar que me sustentou dessa vez foi a espiritualidade. A manutenção espiritual foi o que me faltou nas outras vezes em que fiz o tratamento”

Antônio junto ao psicólogo Henrique Botteon e da presidente do Pevi, Terezinha Presti da Silva

CONSELHEIRO TERAPÊUTICO: VIVENCIANDO O PROBLEMA DO OUTRO

A recuperação de Antônio impressionou a todos, inclusive a presidente do Pevi, Terezinha Presti da Silva, que o convidou para trabalhar na Comunidade. “Em agosto deste ano completo dois anos como Conselheiro Terapêutico. Aqui posso vivenciar as histórias que muitas pessoas contam quando chegam para fazer o tratamento. Me coloco no lugar de cada um, até porque já estive no lugar deles de verdade. Me sinto honrado em poder ajudar essas pessoas e as que eu não consigo auxiliar, que ainda estão nas ruas, eu oro muito”.

A convivência com a família também se fortaleceu. “Visito minhas filhas e já tenho cinco netos. E até hoje minha ex-mulher e eu conversamos, sempre com muito respeito. Sou uma pessoa muito abençoada por tudo que me aconteceu. Mas se estou aqui neste momento é pelas mãos de Deus, que me fizeram enxergar que eu poderia me recuperar e sair daquela vida, se é que posso chamar aquilo que vivi de vida. O Pevi foi extremamente importante nessa minha recuperação, pois me acolheu não apenas como um dependente químico, mas como um ser humano”.

Antônio deixou uma mensagem aos pais sobre as drogas. “Acho que o importante é buscar informações sobre as drogas, sempre. Os familiares que têm algum membro envolvido com drogas recomendo o Amor Exigente, que apoia justamente a família, que também adoece tanto quando o dependente químico e precisa de ajuda assim como o drogado”.

COMUNIDADE TERAPÊUTICA PEVI

Criada há 26 anos, primeiramente com o nome de Casa de Recuperação Ecumênica Rio-Pardense, a Comunidade Terapêutica Pevi objetiva a recuperação de dependentes químicos (drogas lícitas e ilícitas) por meio da internação voluntária e reinserção na sociedade.

Mais de 1.000 pessoas já passaram pelo tratamento no local, cujo tempo de permanência é entre 6 a 9 meses. A Comunidade Terapêutica conta com psicólogo, assistente social, nutricionistas e conselheiros terapêuticos para conscientização dos atuais 16 residentes, vindos de São José e região.

Para você que ainda não conhece o Pevi, a Comunidade está aberta a visitas. O endereço é Rodovia SP-207, São José do Rio Pardo/São Sebastião da Grama, km 03.
http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br