“O leite materno está preparado para o bebê e o bebê para o leite materno”

http://www.minhasaojose.com.br

Assim a médica pediatra e neonatologista Letícia Andreghetto definiu a importância da amamentação

Reportagem e texto: Natália Tiezzi Manetta

Verdades, mitos, dúvidas e medos. Qual mamãe já não passou por isso na hora de amamentar seu bebê? O momento da amamentação é importante não apenas para o bebê, mas para as mulheres, pois é a partir dele que se fortalece o vínculo entre mãe e filho, além, é claro, de todos os inúmeros benefícios que este ato de amor traz para ambos.

Para falar um pouco sobre este vasto universo, nossa jornalista Natália Tiezzi Manetta conversou com a pediatra e neonatologista Letícia de Araújo Franco Andreghetto que, entre outras coisas, desmistificou o ‘leite fraco’ e a importância do bebê já ser colocado ao seio da mãe na primeira hora de vida.

Ela faz um trabalho de acompanhamento pré-natal com as gestantes, com uma consulta a partir da 32ª semana de gestação, o que, segundo a médica, vem estimulando ainda mais a prática da amamentação. Letícia orienta as futuras mamães e, principalmente, estimula-as a amamentar.

Você, gestante ou mamãe, que ainda têm dúvidas e quer saber mais sobre a amamentação, confira a entrevista, na íntegra, abaixo.

Natália Tiezzi Manetta: Dra. Letícia, como a mulher pode ser estimulada a amamentar?

Letícia Andreghetto: Através de informações correta sobre a prática, além da família, inclusive dos maridos e papais. É muito importante que eles conversem sobre isso com as mamães, pois ainda existe muita insegurança e também muita informação errada a respeito do ato de amamentar.

O que desestimula a mulher a amamentar?

A maioria das vezes são os mitos (que vamos falar um pouquinho a seguir). Crenças errôneas que passam por gerações na família, amigos que não acreditam nos benefícios do leite materno, enfim. Recomendo que as mamães busquem sempre por informação de qualidade e não deem ouvidos a qualquer coisa que lhes digam.

O bebê precisa mamar na 1ª hora de vida?

É recomendado que ele seja colocado no seio da mãe neste momento para  ter o primeiro contato, sentir o cheiro e posto para sugar para adapta-lo ao peito o mais cedo possível.

O leite materno demora para ‘descer’?

Assim que o bebê nasce até o terceiro dia de vida, o corpo da mãe produzirá o colostro, o primeiro leito, que é riquíssimo em imunoglobulinas, proteínas e é a parte mais líquida do leite, importante para o desenvolvimento imunológico do bebê. Geralmente, a apojadura, que é a ‘descida’ do leite maduro acontece após o 3º dia do nascimento da criança.

A mamãe deve preparar a mama para amamentação?

Não há necessidade. O que ela pode fazer são algumas massagens manuais nas mamas após a apojadura e colocar o bebê frequentemente para sugar. Isso pode ajudar a evitar que os seios fiquem com a sensação de ‘empedramento’.

Existe leite fraco?

Acredito que esse seja um dos maiores mitos da amamentação. Nenhuma mãe produz leite fraco. Cada mãe produz o leite ideal e perfeito para o seu bebê, inclusive com os nutrientes necessários para cada período de vida dele. O leite materno está preparado para criança, assim como a criança está preparada para recebê-lo.

Como as mamães devem se alimentar no período em que estão amamentando?

Alimentação mais saudável possível com tudo que vem da natureza: frutas, verduras, legumes, carnes, ovos, além de oleaginosas como as castanhas, que podem aumentar o teor de gordura do leite, além do abacate e o azeite de oliva extra virgem, que deve ser utilizado em saladas, por exemplo. A mamãe também deve se hidratar ingerindo pelo menos 3 litros de água por dia, já que ela perde muito líquido durante a amamentação e é preciso repô-lo. Restrição alimentar mesmo é para alimentos industrializados.

Vamos falar sobre as cólicas. É verdade que o leite materno pode provoca-las?

Não, isso é outro mito. Crianças que mamam no peito tendem a ter menos cólicas do que as que mamam em mamadeiras, pois elas ingerem uma quantidade menor de ar, o que pode causar gases e dores abdominais. Além disso, o sistema digestivo do bebê está preparado para o leite materno e não para fórmulas (leites em pó).

Há algum alimento que cause cólicas e que as mamães devem evitar?

Mais um mito. Não há estudos que comprovem que alimentos que a mãe ingere podem causar cólicas. As mamães devem optar pela alimentação saudável e, se possível, evitar bebidas alcoólicas durante o período em que estiverem amamentando.

As crianças podem tomar água, chá durante os primeiros seis meses?

Não. O leite materno é completo e suprirá as necessidades da criança, portanto nos primeiros seis meses de vida o alimento da criança deve ser o leite da mamãe.

Para finalizar, as fórmulas são capazes de substituir o leite materno?

Nenhuma fórmula será tão perfeita quanto o leite materno, portanto, elas não são capazes de substitui-lo com relação a nutrientes. Como disse e repito, o leite materno foi feito para a criança e a criança feita para o leite materno.

A 1ª NEONATOLOGISTA NA CIDADE

Letícia é a primeira médica pediatra neonatologista de Rio Pardo. Ela, que é esposa do médico obestetra e ginecologista Roberto Teixeira Andreghetto, também faz parte da equipe de profissionais da Clínica Prognosys e atende no local.

Natural de Coronel Fabriciano, em Minas Gerais, Letícia graduou-se em Medicina pela UniFOA, Centro Universitário de Volta Redonda/RJ. Após fez Residência Médica em Pediatria e Neonatologia em hospitais de São Paulo. “O Neonatologista é especializado na assistência Neonatal, desde o nascimento, no atendimento na sala de parto, Maternidade e Alojamento Conjunto, até os 28 dias de vida do bebê que nasce de termo, ou seja, no tempo certo. E também o Neonatologista é o médico especializado para o cuidado dos bebês prematuros enquanto internados nas unidades neonatais, e após a alta para manter o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento desses bebês que necessitam de uma assistência diferenciada.”, explicou.

http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br