Laura Filippi: Aos 16 anos, ela fará curso na Universidade de Cambridge, na Inglaterra 

http://www.minhasaojose.com.br
A estudante conquistou a bolsa de estudos integral na renomada instituição britânica para aulas acadêmicas de arquitetura, profissão que pretende seguir 

Entrevista e texto: Natália Tiezzi 

“Há uma força motriz mais poderosa que o vapor, a eletricidade e a energia atômica: a vontade”. A icônica frase de Albert Einstein encaixa-se perfeitamente à história que o www.minhasaojose.com.br traz hoje a vocês, internautas. Mesmo diante de situações difíceis e, muitas vezes, incompreensíveis neste plano, o ser humano se supera e luta pelos sonhos, independentemente da idade, como é o caso da jovem Laura Balbão Fillipi Rech Berno. 

Aos 16 anos e estudante da ETEC “Profº Rodolpho José Del Guerra”, ela conquistou uma bolsa integral para fazer um curso em uma das mais renomadas universidades do mundo, a Universidade de Cambridge, na Inglaterra. 

Laura perdeu a mãe quando tinha apenas quatro anos e passou a viver com a tia, a professora Cecília Balbão Leal, que deteve sua guarda legalmente. (Confira o depoimento sobre o ocorrido por Cecília abaixo, após a entrevista da estudante). 

E mesmo diante da grande perda, Laura sempre foi uma menina sonhadora, estudiosa, tanto que também estuda Inglês desde os 8 anos. Atualmente ela é aluna Jet Escola de Idiomas. 

O curso que a jovem estudante fará na Inglaterra é voltado à arquitetura, área que Laura pretende seguir carreira futuramente. 

Ao longo da entrevista, ela contou sobre como ficou sabendo da oportunidade do curso, a redação que fez, também em Inglês, que conquistou os analistas e garantiu a bolsa de estudos, bem como de suas pretensões futuras, que também incluem uma faculdade talvez fora do Brasil. 

Nesta semana, Laura também recebeu uma Moção de Congratulações na Câmara, de autoria do vereador Pedro Giantomassi, pelo êxito à bolsa de estudos em Cambridge. 

Confira, abaixo, a entrevista na íntegra e, logo após, o bonito depoimento de Cecília, tia de Laura, sobre a sobrinha. 

Laura, na Câmara Municipal, durante discurso após receber Moção de Congratulações

Laura, como ficou sabendo da oportunidade de fazer um curso em Cambridge? 

Laura Balbão Fillipi Rech Berno: Tudo começou quando eu conheci uma pessoa chamada Matheus Tomoto, um mentor sobre oportunidades internacionais. Com ele descobri sobre a oportunidade de fazer um Summer School (Curso de Verão). Após diversas pesquisas encontrei o Immerse Education, que oferecia bolsa de 100% para estudar em Cambridge.  

E como conseguiu obter êxito, como foi aprovada para o curso?  

Para conquistar a bolsa de estudos, eu tive que gravar um vídeo falando sobre minhas qualidades pessoais e redigir duas redações: uma falando o porquê de eu querer estudar com o Immerse Education e outra relacionada a arquitetura, na qual o tema era: “Como a arquitetura é influenciada pelo meio”. 

O que tratará esse curso que você fará?

Neste programa eu terei aulas acadêmicas de arquitetura, na qual será uma ótima oportunidade de eu conhecer melhor essa área que pretendo seguir. O curso será realizado entre os meses de julho e agosto deste ano.

Você disse que quer cursar arquitetura futuramente. Por que escolheu essa careira? 

Escolhi essa carreira pois é uma área que eu me identifico muito, desde criança sempre gostei muito de cálculos e de construir projeto de casas. Mas para escolher uma carreira também considero muito importante o mercado de trabalho e a competência técnica. 

Em que esse curso em Cambridge poderá ajuda-la na profissão? 

Para um adolescente decidir a área que pretende seguir é algo difícil, pois é um momento de muita incerteza. No entanto, esse programa me ajudará muito a conhecer melhor sobre a área que pretendo seguir, que é arquitetura, esclarecendo ainda mais essa decisão. Esse programa me ajudará não somente na profissão, mas também na oportunidade de desenvolver ainda mais minhas qualidades pessoais, de fazer networking e na aplicação para uma faculdade fora, já que é considerado um ótimo extracurricular. 

Qual é a principal característica sua que a torna especial como estudante? 

Desde pequena fui uma pessoa bastante dedicada em cada tarefa que tenho que fazer, na escola e fora também, considero a dedicação algo muito precioso, isto faz um grande diferencial em cada atitude que você for fazer. Com dedicação qualquer pessoa pode ir longe! 

Quais as suas pretensões para o futuro? 

Na área profissional eu pretendo seguir a carreira de arquitetura, pretendo prestar para faculdade brasileira e para fora, assim como também ser uma ótima arquiteta, fazendo cada projeto de casa com muita dedicação!

Laura ao centro, tendo à esquerda, iniciando professor de inglês da Jet Davi Ribeiro, os avós, a tia Cecília, o professor Henrique, da Jet, e o vereador Pedro Giantomassi, autor da Moção à Laura

SUPERAÇÃO E MUITO AMOR 

“Eu sou a tia da Laura e me chamo Cecília Balbão Filippi Leal. Sou também professora de Biologia dela na Etec. A Laura nasceu em Campinas em 2005. A mãe dela era minha irmã. Se chamava Cristina, era enfermeira formada na Unicamp e trabalhava na Prefeitura da cidade de Sumaré. O pai é lá do Sul e assim que a Laura nasceu, ele precisou se mudar para lá. Minha irmã não pode acompanhá-lo, porque era uma cidade muito pequena e ela não teria emprego nem estudo para as filhas. Então minha irmã continuou morando em Campinas. Em outubro do ano de 2008, depois de um acidente de carro que minha irmã sofreu ao levar as duas filhas à escola em Campinas, ela descobriu que estava com Leucemia Mielóide Aguda. Então ela permaneceu no hospital para iniciar o tratamento. Assim que eu soube, fui para Campinas trazer minhas duas sobrinhas para cuidar delas aqui, já que minha mãe precisava ficar com minha irmã no Hospital Vera Cruz. Aproveito aqui para deixar o meu agradecimento ao Colégio Unigrau, na pessoa da professora e diretora Marolinha, que não mediu esforços para acolhê-las na escola no final daquele ano. Mas depois elas precisaram retornar para Campinas para ficarem perto da mãe. Minha irmã fez o transplante de medula óssea no Hospital das Clínicas da Unicamp. O meu irmão foi o doador da medula óssea, eu não era compatível para a doação. Mas, infelizmente, o tratamento não deu certo e minha irmã acabou falecendo em outubro de 2009. Minha irmã ficou um ano dentro de hospital. Durante sua internação, o Pe. Paulo e o Pe. Hélio administraram a unção dos enfermos nela. Isso reconfortou bastante a família, pois cremos na vida eterna!  

Assim que minha irmã faleceu, eu e meu marido, de comum acordo com o pai, obtivemos a guarda definitiva da Laura e da sua irmã Lorena. A Laura tinha 4 anos e a Lorena 8 anos. Meus pais alugaram a casa deles na Cidade Universitária e se mudaram para São José a fim de ajudar na criação delas. Atualmente a Laura mora na minha casa e a Lorena mora em São Carlos. 

A doença e o falecimento da minha irmã foram um processo muito doloroso para a família toda, especialmente para as filhas. Mas eu creio que a fé que nós temos em Deus nos sustentou nos momentos difíceis.  

A Laura é minha companheira. O Vitor Henrique, que é médico cardiologista, o Afonso, que é estudante de Medicina e a Lorena, que cursa Engenharia Civil na UFSCAR, já são independentes. Desejo que a Laura seja muito feliz e que seus sonhos se realizem. Gosto muito do pensamento: “O possível você faz e o impossível reze para Deus fazer por você!” Nem sempre compreendemos alguns acontecimentos na nossa vida. Os planos de Deus não são os nossos, mas são infinitamente melhores! Se Deus quiser, a Laura será uma excelente arquiteta!  

Gostaria de aproveitar esta oportunidade e incentivar as pessoas para doarem sangue e se cadastrarem para se tornarem doadoras de medula óssea”, finalizou Cecília. 

http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br