Gestação de Alto Risco: A importância do Pré-Natal para preveni-la

http://www.minhasaojose.com.br

O médico Roberto Teixeira Andreghetto falou sobre as principais doenças que podem prejudicar a mãe e o bebê

Muitas mulheres passam por situações muito delicadas durante a gestação e desenvolvem patologias neste período que podem colocar em risco a própria vida e a do bebê. Além disso, muitas delas já têm algum tipo de doença e nem mesmo sabem que as mesmas podem levar a complicações na gravidez.

Para falar sobre a “Gestação de Alto Risco” e algumas maneiras de preveni-la, a jornalista Natália Tiezzi Manetta conversou com o médico ginecologista e obstetra Roberto Teixeira Andreghetto que, entre outros destaques, observou a importância do Pré-Natal para uma gestação tranquila e saudável para mães e filhos. Confira.

Natália Tiezzi Manetta: Dr. Roberto, o que é considerada uma Gestação de Alto Risco?

Dr. Roberto: É aquela que envolve um risco maior que o habitual para a mãe e para o bebê e que requer maior atenção do obstetra e família, além de cuidados específicos.

O que pode causar uma gravidez assim?

Complicações clínicas como algumas doenças incluindo a pressão alta, diabetes e alterações da tireóide, bem como gravidez gemelar, alterações da placenta, no líquido amniótico e na formação do bebê podem acarretar uma gestação de alto risco.

Doenças como a pressão alta e diabetes podem ser adquiridas durante a gravidez?

Sim, em qualquer período da gestação. Ambas são perigosas, tanto para a mãe, quanto para o bebê, pois podem forçar um parto prematuro ou mesmo um aborto. A obesidade também é outra doença que as gestantes devem tomar muito cuidado pois, através dela, podem ser desenvolvidas pressão alta e diabetes. Já as alterações da tireóide, como o hipotiroidismo, podem acarretar nas mamães alterações cardiológicas, arritmias, ganho excessivo de peso, além de alterações no crescimento do bebê.

O médico Roberto Teixeira Andreghetto destacou que as futuras mamães devem praticar atividade física e manter uma alimentação balanceada durante a gestação para evitar a obesidade e outras doenças decorrentes dela

Mães que já tenham essas doenças podem engravidar?

Sim, porém precisam ter em mente que passarão por uma gravidez com um risco mais elevado e terão que seguir orientações mais rigorosas do médico, além de realizarem um maior número de exames.

Apresentando ou não essas patologias é recomendável que as gestantes façam atividades físicas e sigam uma dieta balanceada?

São duas questões muito importantes na gestação. Fazer exercícios é excelente para controlar o peso e evitar o sedentarismo neste período. Já a alimentação balanceada também é essencial para o controle do peso e, obviamente, evitar a obesidade e o desenvolvimento das doenças já citadas. A média de peso que uma mulher deve ganhar em uma gestação saudável é entre 12 a 16 quilos, com Índice de Massa Corporal sempre abaixo de 30. Por isso, atenção mamães: gravidez não é doença e vocês podem (e devem) praticar uma atividade física conforme orientações médicas. Recomendo ainda que passem por um bom nutricionista para um acompanhamento alimentar mais adequado.

É possível evitar uma Gestação de Alto Risco?

Para gestantes que já possuem doenças como diabetes, hipertensão ou alterações da tireóide é possível controla-las e, claro, ter uma gravidez mais saudável. A principal recomendação para evitar uma Gestação de Alto Risco ou diagnosticar qualquer problema gestacional é a realização do Pré-Natal. O mínimo é de seis consultas durante a gravidez e pelo menos 3 ultrassonografias, mas se for possível o acompanhamento médico desde o primeiro mês de gravidez será melhor ainda para a mãe e para o bebê. Na maioria das vezes só será possível diagnosticar doenças nas mulheres e nos filhos por meio dessas consultas, realização de exames específicos e medicação adequada. E, por favor, mamães: não se auto-mediquem. Há componentes em alguns remédios que podem causar inúmeros problemas no desenvolvimento da criança e até mesmo levar a um aborto.

Diagnósticos tardios podem colocar em risco a vida da mãe e do bebê?

Sim. Há mulheres que só procuram orientação médica nos últimos meses de gestação ou até mesmo na hora do parto. Oriento sempre minhas pacientes que ao primeiro sinal de desconfiança de uma gravidez que façam um teste de farmácia. Em caso positivo já procurem um médico e comecem o Pré-Natal. Além disso, que as gestantes tenham paciência. As consultas podem ser mais demoradas, mas tudo que é dito pelo médico durante o Pré-Natal deve ser compreendido e colocado em prática pela gestante, inclusive as suplementações vitamínicas, que muitas não gostam de fazer. Como costumamos dizer na Medicina e aqui também é válido: “é melhor prevenir do que remediar”.

http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br