COAC – Congresso Acadêmico do Conhecimento foi aberto na UNIP Rio Pardo

http://www.minhasaojose.com.br

Qualidade nas palestras, mesas redondas, envolvimento e participação dos alunos chamaram a atenção na primeira noite

Reportagem e Texto: Natália Tiezzi Manetta

Na noite de terça-feira, 8, a UNIP Rio Pardo abriu oficialmente o COAC – Congresso Acadêmico do Conhecimento. No primeiro dia do evento, a qualidade nas palestras, mesas redondas, além do envolvimento e participação dos alunos chamaram a atenção e superaram as expectativas da diretoria.

“Quando pensamos no Congresso a ideia era realmente envolver nossos alunos para que eles fossem os protagonistas do evento, bem como coordenadores e professores dos 15 cursos que oferecemos, e acredito que o COAC conseguiu essa integração, sendo que o resultado já pode ser visto e sentido neste primeiro dia”, destacou a diretora do campus, Gabriela Della Torre e Silva.

Nesta matéria abordaremos destaques dos cursos de Administração, Direito, Farmácia, Bioquímica, Educação Física e Psicologia, entretanto, também abordaremos destaques dos demais cursos ao longo desta quarta e quinta-feira, dias em que o COAC também acontecerá no campus da UNIP Rio Pardo. Confira.

ALFREDO ROCHA E O PODER DAS IDEIAS

A Arena COAC ficou repleta para acompanhar as abordagens de um dos mais assistidos palestrantes do Brasil, Alfredo Rocha. Solícito e muito enfático, ele discorreu sobre “O Poder das Ideias” e, como de costume, procurou exemplificar suas palavras na prática cotidiana.

“Já perceberam como as ideias negativas e ruins nos ‘pegam’ muito mais facilmente do que as ideias boas e positivas? E sabem o motivo disso? Nos deixamos levar muito mais pelas coisas ruins que, inclusive, estão dentro da nossa casa, seja na série televisiva, no jornal que só aborda conteúdos para nos deixar para baixo ou até mesmo naquela pessoa que encontramos na rua, dá um espirro e já fala que ficará gripado, com pneumonia…”, observou.

Neste ínterim, Alfredo destacou ainda que as nossas emoções são altamente influenciadas pelos nossos sentidos. “Se você ficar vendo um filme de terror por duas horas, por exemplo, qual será a sua sensação após esse período? Provavelmente de pânico, medo. Nossos sentidos agem sobre nossas emoções e isso é fato”.

Entretanto, é possível trabalhar a mente para que as ideias ruins não nos controlem. “Todo processo de desenvolvimento pessoal começa com a tomada de consciência e quando isso ocorre começamos a separar, filtrar e somente seguir aquilo que realmente acrescenta algo de bom em nossas vidas. Vou dar um exemplo prático. Imagine um balde cheio de água suja. Imagine que aquilo são seus pensamentos, ideias ruins que você ‘acumulou’. Agora pegue uma mangueira de água e coloque-a dentro desse balde. Preste atenção no que vai acontecer: após algum tempo, água limpa fará com que toda a água suja seja eliminada do balde. E sabem o que deve ‘conter’ nesta água limpa? A leitura de um bom livro, uma boa conversa com alguém que você confie e te anime, algo que te dê prazer, como também assistir a uma boa palestra, coisas que te acrescentem algo positivo”, afirmou Rocha, concluindo que à medida que pensamos no que estamos pensando e tomamos consciência para que ideias ruins não nos peguem criamos naturalmente ‘um escudo’ contra elas.

POSSE DO NÚCLEO DO IBDFAM E A ABORDAGEM DAS “FAMÍLIAS SIMULTÂNEAS”

Antes da palestra promovida pelo curso de Direito aconteceu a cerimônia de Posse do Núcleo Regional do IBDFAM – Instituto Brasileiro de Direito de Família. Tomaram posse a Coordenadora Carolina Baracat Mokarzel De Luca; Vice- coordenadora: Priscila Fernandes Pires Sampaio; 1º secretário: Thaís Ramalho Oliveira; 2º secretário: Bruno De Luca; 1º tesoureiro: Bruno Sá Sampaio e 2º tesoureiro: Thatiara de Andrade De Sordi.

Após, alunos, professores e demais convidados tiveram a oportunidade de conhecer a palestrante dra. Ana Paula Gonçalves Copriva, Advogada Especialista em Direito da Família e Sucessões, Diretora do IBDFAMSP e Diretora OAB Rio Claro. O assunto abordado foi “Famílias Simultâneas”, um tema um pouco desconhecido pela maioria da população e que ainda gera algumas divergências até mesmo entre os juristas tamanha sua complexidade.

“Temos que entender de uma vez por todas essa variedade real das famílias brasileiras e lutar para garantir-lhes seus direitos, inclusive aquelas que se formam paralelamente ao casamento (porém não bígamas) uniões estáveis, união homossexual, enfim, não podemos fechar os olhos para essas famílias que fogem ao ‘padrão familiar’ que nos foi imposto”, declarou a dra. Ana Paula.

Ela, que é membro do IBDFAM hpa 10 anos, mas acompanha seu trabalho por mais de 20, destacou que foi o Insituto que expandiu seus horizontes. “O trabalho que o IBDFAM desenvolve e com certeza desenvolverá aqui em Rio Pardo e também na região contribuirá para uma sociedade mais justa com relação ao Direito de Família, principalmente porque, além de envolver os juristas, também envolverá a sociedade, dando-lhe a oportunidade do conhecimento, do questionamento e a informação correta sobre inúmeros temas que precisam ser mais aprofundados, até mesmo para que a luta por seus direitos não se finde”, afirmou.

EDUCAÇÃO FÍSICA E O ESPORTE PARALÍMPICO

Mais que uma palestra, uma verdadeira aula sobre Esporte Paralímpico foi ministrada pelo professor Carlos Antônio Silva aos alunos e professores do curso de Educação Física. Ele, que além de Mestre em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP), é ministrante de cursos em formação paralímpica, explicou os motivos que estão levado o Brasil a ser uma potência no esporte paralímpico, além da importância do atleta-guia, entre outros assuntos relevantes dentro do tema.

BIOMEDICINA

Já a Biomedicina, um dos cursos que estão em ascenção nos últimos anos, abordou a “Atividade Antimicrobiana in vitro e toxicidade in vivo em modelo alternativo: Ensaios para o desenvolvimento de novos fármacos”, cuja palestra foi ministrada pela dra. Nayla de Souza Pitangui, que é Mestre e Doutora pela UNESP; Pós-Doutorado pela USP e Docente da Universidade Paulista UNIP.

“O primeiro dia foi um sucesso absoluto e realmente superou nossas expectativas. A dra. Nayla que ministrou palestra e minicurso abrilhantou ainda mais a noite. Os alunos puderam participar das atividades práticas e se envolveram com o tema proposto”, destacou a coordenadora Aline Ferreira de Oliveira Pereira.

FARMÁCIA E CIÊNCIA

No curso de Farmácia foi promovida uma Mesa Redonda, cujo tema central foi “Farmácia e Ciência”. O coordenador Mateus Amaral Baldo destaco que “foi um excelente reencontro com ex alunos que trouxeram experiências de mercado de trabalho e apresentaram artigos científicos publicados por eles em revistas internacionais. Os alunos participaram em peso e fizeram perguntas das dificuldades do ingresso no mercado e adaptação pos faculdade”.

Além de Mateus, também participaram do encontro Camyla de Almeida Silva Godoi, Farmacêutica responsável pela Irmandade de Misericórdia de Guaxupé – Farmácia Hospitalar; Beatriz de Cássia da Silva Jacob, que é Mestranda do Programa de Toxicologia da FCFRP-USP, no Laboratório de Toxinas Animais e Daniela de Morais Barbosa, Farmacêutica supervisora responsável técnica e por treinamento de novos farmacêuticos em uma grande Rede Farmacêutica.

PSICOLOGIA: LANÇAMENTO DO LIVRO DE LELIANE GLIOSCE MOREIRA

Fechando o primeiro dia, destacamos o curso de Psicologia, que trouxe Leliane Maria Aparecida Gliosce Moreira, Psicóloga pela PUC-SP e Especialista em Psicanálise e Membro Titular do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae.

discorrendo sobre “Consultas Terapêuticas com Pais e Filhos”. Como esperado, a sala ficou repleta de alunos e convidados.

Após a palestra, a psicóloga autografou seu mais recente lançamento “Consultas Terapêuticas Com Pais e Filhos: Resgatando a Experiência Compartilhada do Brincar”. Alunos e professores prestigiaram o lançamento, sendo que Leliane também conversou e tirou inúmeras dúvidas sobre o assunto abordado na palestra.

A grata surpresa ficou por conta da mãe da psicóloga, a professora Ghislaine Gliosce, que é coordenadora geral do curso de Psicologia da UNIP e Diretora do Instituto de Ciências Humanas. Ela fez questão de participar do Congresso e ressaltou a importância de eventos como esse não apenas para os alunos, mas para toda a sociedade. “A missão da UNIP é educar e educar com valores dentro da ética, da justiça, da solidariedade. O COAC responde a tudo isso com relação à missão da universidade no tocante a esses princípios e valores, os quais estão sendo difundidos principalmente entre seus alunos e que, sem dúvida, vão refletir na sociedade a partir do momento que esses acadêmicos ganharem o mercado de trabalho”, concluiu.

http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores minhasaojose@uol.com.br