Amor à Assistência Social: Elaine disse que há 10 anos fez a melhor escolha profissional da sua vida

http://www.minhasaojose.com.br

Em homenagem ao Dia do Assistente Social, o minhasaojose.com.br traz um pouco do que é a Assistência Social e como é realizado esse importante trabalho que atinge inúmeras esferas da sociedade através da profissional Elaine Esméria Batista Paziani. Formada há 10 anos, ela, que trabalha atualmente como Assistente Social na Santa Casa de Misericórdia, disse que foi a essa foi a melhor escolha profissional de sua vida.

Elaine fala com orgulho da profissão e quem a conhece pelos corredores do hospital sabe da sua dedicação e amor aos seus pacientes. “A Assistência Social é uma política pública, ou seja, um direito de todo cidadão que dela necessitar. Ela está organizada por meio do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), que está presente em todo o Brasil. Seu objetivo é garantir a proteção social aos cidadãos, por meio de serviços, benefícios, programas e projetos que se constituem como apoio aos indivíduos, famílias e para a comunidade no enfrentamento de suas dificuldades”, explicou. Confira a entrevista completa abaixo.

Natália Tiezzi Manetta: Elaine, o que a motivou a optar pela Assistência Social?

Elaine Batista Paziani: Fui técnica de enfermagem, trabalhava em hospitais e via toda dificuldade em encaminhar pacientes para darem continuidade ao tratamento após a alta hospitalar ou encaminhar para outra especialidade que necessitasse, entre outras dificuldades. Enxerguei nestas dificuldades dos pacientes uma oportunidade de ajuda-los através de uma profissão e isso me interessava muito mais do que a enfermagem. Portanto, optei pelo curso de Serviço Social, que foi minha melhor escolha! Estou há 10 anos atuando como Assistente Social.

Nestes 10 anos em quais locais você já trabalhou?

Iniciei na Santa Casa de Misericórdia de Tapiratiba, entre 2003 e 2009. Trabalhei no       Hospital Municipal Ouro Verde, em Campinas, de 2009 a 2010, na Adacamp –Associação para Desenvolvimentos dos Autistas e no Instituto dos Cegos Trabalhadores, ambos também em Campinas no período de  2010 a 2014 e aqui na Santa Casa de Misericórdia /Hospital São estou desde 2014.

Como é seu trabalho na Santa Casa?

Ele é direcionado ao SUS, onde trabalho com a alta qualificada, encaminhar o paciente para rede de saúde municipal (ESFs, Saúde Mental, CAPS, Saúde da Mulher, Pediatria, Ortopedia e Oncologia) para dar seguimento em tratamentos; Rede de Assistência Social CREAS e CRAS e Conselho Tutelar, além de encaminhamentos via Central de vagas – CROSS  e DRS XIV – São João Boa Vista. São cerca de 30 pacientes atendidos por mês. A Assistência Social também promove Pesquisa de Opinião e direcionamento das mesmas aos gerentes de setores; Acolhimento familiar, orientação e escuta, bem como no que que for solicitada e puder ajudar.

Conte uma alegria e uma tristeza na profissão

Alegria é quando conseguimos resolver o problema imediato do paciente. A principal tristeza é não conseguir resolver o problema em tempo hábil e perder o paciente.

Hoje, 15 de maio, também é o dia da Família. Ultimamente temos visto muitas desestruturadas e o reflexo disso na vida principalmente das crianças e adolescentes. Como a assistência trabalha nesta questão?

Este trabalho é realizado através dos CRAS por uma equipe capacitada com Assistentes Sociais, psicólogos e educadores sociais.  Quando identificado na internação, faço o primeiro acolhimento e já encaminho para o serviço.

O que você diria aos seus colegas de profissão neste dia especial à Assistência Social?

Acho que ser assistente social de resume a “fazer o bem sem dizer a quem –  faz bem à alma e a satisfação de dever cumprido não tem o que paga”.

http://www.minhasaojose.com.br
error: Caso queira reproduzir este conteúdo, entre em contato com os editores pelo e-mail: minhasaojose@uol.com.br